HYPENESS PUBLICA MATÉRIA SOBRE O PROTAGONISMO DAS MULHERES BRASILEIRAS NO CARNAVAL DE RUA

23/02/2019

 

Que as mulheres estão ocupando todos os espaços e mostrando sua potência em todas as áreas, da música à ciência, não é novidade. Mas a gente acha o quê? Pouco! Queremos mais – muito mais! As produções culturais já passam pelas mãos delas em todos os níveis e chegam ao Carnaval cada vez mais fortes. O empoderamento feminino, da produção à bateria dos blocos de rua, se mostra uma ferramenta única e necessária para os debates de gênero.

 

As organizações e atuações nos blocos já foram dominadas completamente por homens, mas vemos um crescente de mulheres surgindo com com novas propostas espalhadas por todo o Brasil. O assédio nas festas foi o grande estopim para falar da presença feminina no Carnaval – e seguiu como tema com campanhas lindas como a #CarnavalSemAssédio. Mas a representatividade e hierarquia no trabalho dentro dos blocos mostrou uma mudança de rumos.

 

Nada menos do que 36 blocos hoje são de produções femininas. Necessário começar pelo Ilú Obá De Min, de São Paulo, até pelo significado do próprio nome, vindo do Yorubá: Mãos femininas que tocam tambor para Xangô. O Ilú é uma associação sem fins lucrativos que tem trabalha com foco nas culturas de matriz africana e afro-brasileira e na mulher. Surgiu após vinte anos de pesquisa-ação desenvolvidas por suas dirigentes Beth Beli e Adriana Aragão, iniciando suas atividades em novembro de 2004.

 

O Ilú, que pela história, ações e maravilhosidade de seu desfile já merece destaque. Mas existem ainda outros bons e com muita bagagem, como o Bloco Nem Com uma Flor. Promovido pela prefeitura do Recife, o bloco sai há 17 anos para conscientizar os foliões sobre o fim da violência contra a mulher. Os outros surgiram nos últimos 10 anos, mas já mostram que vieram para ficar.

 

Estimulando também o aprendizado, alguns blocos investem em formação musical, como As Calungas, em João Pessoa, e As Batucas- Orquestra Feminina de Bateria e Percussão, em Porto Alegre. Já os politizados, que lutam contra a violência contra a mulher, reafirmaram sua força, como o Mulheres Rodadas, que acontece desde 2014 no Rio de Janeiro; o Filhas da Luta, de Macapá, que sai às ruas desde 2015; o Bloco Maria Vai com as Outras, há 8 anos nas ruas de Manaus; e o Bloco das Perseguidas, que surgiu em 2013, em Brasília.

 

Na contramão, o bloco feminista Bloco Bato Siririca, da cidade de Sobral, no Ceará, foi retirado dos festejos de 2018, mesmo após ser contemplado com edital e ficar classificado entre os blocos oficiais da cidade. O bloco saiu de forma independente e manifestou repúdio após o corte, que também gerou forte polêmica nas redes sociais.

Vamos à lista dos blocos femininos que saem em 2019 pelo Brasil:

 

SÃO PAULO

Ilú Obá de Min

O Ilú Obá De Min – Educação, Cultura e Arte Negra é uma associação paulistana, sem fins lucrativos, que tem como base o trabalho com as culturas de matriz africana e afro-brasileira e a mulher. Surgiu após vinte anos de pesquisa-ação desenvolvidas com variados grupos sociais por suas dirigentes Beth Beli e Adriana Aragão e iniciou suas atividades em novembro de 2004, tornando-se pessoa jurídica em 2006. É um dos cortejos mais lindos que se pode ver no Carnaval da cidade.

Quando? Sexta de Carnaval no Vale do Anhangabaú e Domingo de Carnaval

 

Desculpa Qualquer Coisa

Esse é o terceiro ano que o bloco mais sapabi de São Paula mete o dedo no pré-carnaval oficial da cidade para fazer todo mundo dar volta e meia atrás do trio. O bloco Desculpa gosta de trocadilho, glitter e safadeza. Além da bateria, o bloco tem som comandado pelas DJs Sol Lima & Thaís Esmeraldo, Stefanie Dias & Marília Castelli, Elky Araujo & Sal Esaú, Grace Kelly e Renata Corr; e participação das Maravilhosas Corpo de Baile.

Quando? 23 de fevereiro, 15h, na Rua Augusta, entre as ruas Matias Aires e Fernando de Albuquerque

 

Siriricando

Bloco Siriricando é um bloco feito para mulheres que amam mulheres, onde o protagonismo é das minas lésbicas e bis e todes são bem vindes para curtir um carnaval divertido, seguro e confortável. Pelo terceiro ano, o Bloco bota o brejo na rua novamente, mostrando que as mulheres lésbicas e bis resistem com deboche e alegria e nenhum governo fascista vai estragar a nossa diversão.

Quando? 24 de fevereiro, 15h, na Praça Dom José Gaspar

 

Bloco de Dona Yayá

Em março de 2000 nasceu o YAYARTES Bloco Carnavalesco Casa de Dona Yayá, dentro da União de Mulheres do Município de São Paulo. O grupo foi pensado para chamar a atenção para a Casa da Dona Yayá, desocupada desde a década de 60 com a morte de sua mais famosa moradora e caracterizada como patrimônio histórico desde a década de 70, e incentivar a discussão de seu uso pela comunidade. O bloco vem saindo às ruas todo domingo anterior ao domingo de Carnaval, desde que surgiu, no tradicional bairro do Bixiga, em São Paulo. Em seu trajeto, que inclui uma parada obrigatória na Casa de Dona Yayá, nascida Sebastiana de Mello Freire, de rica e influente família paulista, o bloco reaviva a memória da figura feminina emblemática de Dona Yayá, uma mulher à frente de seu tempo que cedo seria considerada insana e incapaz e confinada no casarão em que hoje funciona o CPC – Centro de Preservação Cultural da Universidade de São Paulo, espaço aberto ao público desde 2004 para atividades como visitas, exposições, oficinas e cursos.

Quando? 24 de fevereiro, 15h, no Bixiga

 

Bloco Pagu

O Bloco Pagu nasceu em Outubro de 2016 com a missão de exaltar a busca por equidade e respeito à liberdade individual da mulher. Em pouco tempo tornou-se um dos mais expressivos blocos de carnaval de São Paulo, com uma bateria feminina com cem mulheres, entoa junto as interpretes principais, Barbara Eugênia, Julia Valiengo (Trupe Chá de Boldo), Soledad e Raquel Tobias clássicos da MPB que tornaram-se famosos na voz de ícones musicais do país: de Carmem Miranda a Elis Regina, passando por Marisa Monte, Gal Costa, Maria Bethania, Dona Ivone Lara, Rita Lee, Alcione, Beth Carvalho, Baby do Brasil, Margareth Menezes, Elba Ramalho, entre outras.

Quando? 5 de março, 14h, no Centro

 

Siga Bem Caminhoneira

Este é um bloco coletivo de visibilidade lésbica e bissexual, um espaço pras mulheres se sentirem livres, respeitadas, empoderadas e seguras. Desde 2017, elas colocam seu bloco na rua pra celebrar a sexualidade, diversidade e resistência. São mais de 100 mulheres unidas pra fazer um carnaval cheio de sapatão, bi, r̶e̶b̶u̶c̶e̶t̶e̶i̶o̶, batuque, alegria e respeito.

Quando? 9 de março, 14h, na Praça Emilio Miguel Abella, na República

 

Eu acho é Coco

Novinho em folha, o bloco liderado por Rafaella Nepomuceno, surgiu a partir do grupo Coco de Oyá. O trio de vozes femininas e feministas, composto também por Sthe Araújo e Kelli Garcia, tem batidas potentes e identidade marcantes, unindo o Coco de Roda e o Baianá das Alagoas. Hoje, além do grupo, elas formam um bloco que amplia, reverbera e abre espaço para que mulheres – e todxs que se sintam como tal -, de todas as idades, com e sem conhecimentos percussivos, possam se achegar e fazer parte da tocada. Os ensaios acontecem todos os domingos, às 15h, na Praça na Nascente, de onde também sairá o bloco.

Quando? 9 de março, 10 às 14h, na Praça da Nascente

 

RIO DE JANEIRO

Mulheres Rodadas

O Bloco Mulheres Rodadas é o primeiro bloco feminista do carnaval carioca. O grupo surgiu em 2015, como forma de protesto contra uma postagem machista feita na internet que dizia: “Não mereço mulher rodada”. Subvertendo a ordem e aproveitando o carnaval, o bloco perguntava: ainda cabe hoje algum rótulo dado às mulheres por conta de suas escolhas? Nos últimos cinco anos, o bloco levou milhares de pessoas às ruas com uma banda majoritariamente formada por mulheres, com repercussão nacional e internacional.

Quando? 6 de março, 9h – local próximo da data, pelo evento

 

Mulheres de Chico

Primeiro bloco de carnaval formado apenas por mulheres. O Mulheres de Chico homenageia o compositor Chico Buarque de Hollanda com arranjos originais.

Quando? 9 de março, 16h, no Leme – concentra mais não sai

 

Mulheres da Vila

Fundado em 8 de março de 2010, dia da mulher, o G.R.B.C. Mulheres da Vila é exclusivamente formado por mulheres. Os únicos homens permitidos são o rei e o muso da bateria.

Quando? terça de Carnaval na Av. 28 de Setembro em Vila Isabel

 

O Batuque das Meninas

Fundado em 2009, o bloco Batuque das Meninas é formado apenas por mulheres oriundas das oficinas de percussão do Monobloco, Quizomba e Bangalafumenga. No repertório estão marchinhas, forró, ijexá, axé, pop, rock e funk carioca em ritmo de samba.

Quando? Quarta de cinzas, 17h, no Largo do Machado

 

 

 VEJA AS FOTOS

 

 

 

 

 

 

PUBLICADO ORIGINALMENTE EM:

https://www.hypeness.com.br/2019/02/mulheres-lideram-36-blocos-de-carnaval-empoderados-por-todo-o-brasil/ utm_source=facebook&utm_medium=hypeness_fb&fbclid=IwAR17PuNgg9uYO2BkcQ_Urzuie9pMFqGszvxdP96IL5RqQtJ6rxeZAFpvwGo

Please reload

PLURALIDADE DE IDEIAS E  DIVERSIDADE DE PENSAMENTOS

Oblog www.esquinademocratica.com aborda temas relacionados à política e à administração pública, sempre a partir da defesa incondicional dos direitos humanos e do pleno exercício da cidadania. Lutamos pela democratização da informação e da comunicação e buscamos exercer o JORNALISMO de forma LIVRE e INDEPENDENTE. Defendemos a pluralidade de ideias e a diversidade de pensamentos, por meio de um jornalismo politicamente engajado em um projeto de sociedade popular e de esquerda.

MAPA
do jornalismo independente no Brasil

O www.esquinademocratica.com está no mapa do jornalismo Independente brasileiro. O mapeamento é realizado desde 2015 pela Pública, primeira agência de jornalismo investigativo sem fins lucrativos do país. No mapa interativo foram selecionadas iniciativas que nasceram na rede, fruto de projetos coletivos e não ligados a grandes grupos de mídia, políticos, organizações ou empresas (http://apublica.org/mapa-do-jornalismo/#_).

asq.png

https://theintercept.com/brasil/

https://www.brasildefato.com.br/

https://www.brasil247.com/

https://www.sul21.com.br/

https://www.redebrasilatual.com.br/

https://revistaforum.com.br/

https://apublica.org/

http://desacato.info/

http://anujornalismo.com/

http://www.nonada.com.br/

www.cartacapital.com.br

http://www.independente.jor.br/

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/

https://www.ocafezinho.com/

http://www.correiocidadania.com.br/

https://passapalavra.info/

https://www.rioonwatch.org/

https://www.novaimprensa.com/

http://revistaberro.com/

http://marcozero.org/

https://midiaindependente.org/

https://outraspalavras.net/

https://enoisconteudo.com.br/agencia/

http://revistagambiarra.com.br/

https://subversivos.libertar.org/

https://mobilize.org.br/

https://www.facebook.com/coletivosup/?fref=ts

https://www.extraclasse.org.br

https://www.pressenza.com/pt-pt/

https://www.jornalja.com.br/

https://operamundi.uol.com.br/

https://www.saibamais.jor.br/

http://www.anf.org.br/

http://periferiaemmovimento.com.br/

https://azmina.com.br/

http://ecos-periferia.blogspot.com/

https://www.viomundo.com.br/

http://jornalocidadao.net/

https://revistaafirmativa.wixsite.com/afirmativa

http://faroljornalismo.cc/blog/

http://jornalismojunior.com.br/

https://calle2.com/

https://gz.diarioliberdade.org/

https://medium.com/brio-stories

http://jornalismocolaborativo.com/

http://coletivocatarse.com.br/

https://www.nexojornal.com.br/

https://www.jota.info/

https://jornalistaslivres.org/

https://catarinas.info/

https://reporterbrasil.org.br/

https://www.facebook.com/MidiaNINJA/

http://baraodeitarare.org.br/site/

http://www.fluxo.net/

http://reinventajornalista.com.br/

http://jornalismob.com/

https://paragrafo2.com.br/

https://www.cnet.com/news/?tag=typo

http://desabafosocial.com.br/

https://aosfatos.org/

http://www.aescotilha.com.br/

NOTÍCIAS

Please reload

ARQUIVOS