RUI OPPERMANN E JANE TUTIKIAN SE REELEGEM À REITORIA DA UFRGS (2020-2024) POR MEIO DE VOTAÇÃO ONLINE


A eleição para a Reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) na gestão 2020-2024, realizada de forma online na segunda-feira (13/7), resultou na vitória dos atuais reitor e vice-reitora, Rui Oppermann e Jane Tutikian. No total, foram contabilizados 15.725 votos no conjunto da comunidade acadêmica, sendo 2.605 votos de professores, 1.828 de técnicos administrativos e 11.292 de estudantes. A primeira eleição online da entidade teve mais que o dobro de votantes da consulta de 2016, que contou com 7.777 participantes no total. Três chapas disputaram a eleição à Reitoria da UFRGS e os votos de cada uma das categorias – professores, técnicos e alunos – têm um peso específico. A contagem é realizada pela divisão dos votos válidos pelo número de votantes habilitados.


A fórmula baseou-se no seguinte peso de cálculo: docentes (0.7), técnicos administrativos (0.15) e discentes (0.15). De acordo com a apuração, a Chapa 2, de Rui Oppermann (Faculdade de Odontologia) e Jane Tutikian (Instituto de Letras), alcançou 0,387688 de índice. Além da chapa vencedora, concorreram também: a Chapa 1, que ficou na terceira posição (0,120896), com Carlos André Bulhões Mendes (Instituto de Pesquisas Hidráulicas), reitor, e Patrícia Helena Lucas Pranke (Faculdade de Farmácia), vice-reitora; e Chapa 3, na segunda posição na consulta (0,251304), com Karla Maria Müller (Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação), reitora, e Claudia Wasserman (Instituto de Filosofia e Ciências Humanas), vice-reitora. No dia 17 de julho, sexta-feira, será realizada a reunião do Conselho Universitário (Consun) para eleição da lista tríplice, respectiva divulgação e encaminhamento para o Ministério da Educação (MEC).


MEDIDA PROVISÓRIA

A UFRGS afirmou, em nota publicada no início de junho, que a Medida Provisória que autoriza a indicação temporária para o cargo pelo ministro da Educação afeta "a autonomia das instituições" na escolha de seus representantes. A MP foi editada na quarta-feira (10/7) pelo então ministro Abrahan Weintraub e deve ser votada pelo Congresso em 120 dias para não perder a validade. A UFRGS é uma das universidades cujos mandatos vencem até o fim do ano. Mas o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, classificou a MP como inconstitucional e ressaltou que a medida trata do mesmo tema de uma outra que perdeu a validade na semana passada.


O presidente da Câmara afirma ainda que o tema deve ser debatido, mas não por medida provisória. Segundo Maia, já há projetos de lei em discussão no Congresso Nacional sobre o assunto. A Universidade Federal de Rio Grande (FURG) também tem eleições programadas para o segundo semestre, em setembro. E a Universidade Federal de Pelotas (UFPel) deve fazer sua seleção até outubro. A MP prevê que a escolha dos reitores não terá consulta à comunidade, escolar ou acadêmica, nem formação de lista tríplice durante o período de emergência de saúde pública do coronavírus. Além de estabelecer que o ministro da Educação designe o reitor e, quando cabível, vice-reitor, a MP também determina que o reitor da instituição federal de ensino designará os dirigentes dos campi e os diretores de unidades.


CONFIRA OS NÚMEROS FINAIS DA ELEIÇÃO À REITORIA DA UFRGS

Docentes (Peso 0,7): Chapa 1 – 436 votos Chapa 2 – 1.454 votos Chapa 3 – 679 votos Branco – 7 votos Nulo – 29 votos Votos válidos: 2.576 Votos totais: 2.605 Votantes habilitados: 2.932

Técnicos administrativos (Peso 0,15): Chapa 1 – 208 votos Chapa 2 – 516 votos Chapa 3 – 1.056 votos Branco – 15 votos Nulo– 33 votos Votos válidos: 1.795 Votos totais: 1.828 Votantes habilitados – 2.545

Discentes (Peso 0,15): Chapa 1 – 1.216 votos Chapa 2 – 2.713 votos Chapa 3 – 7.212 votos Branco – 76 votos Nulo – 75 votos Votos válidos: 11.217 Votos totais: 11.292 Votantes habilitados – 40.128

0 visualização

PAULO TIMM NA VALE DO MAMPITUBA WEB RÁDIO - DAS 8H ÀS 10H

rodapé ed.png