QUERO RESPIRAR

por Manoel Brum (*)

Não consigo respirar.


Estou sufocando, busco desesperado encher os meus pulmões com o ar da vida. Não consigo respirar, porquê?


Alguém pode me ajudar. Socorro. É assim que termina, estou morrendo, será o fim; mas eu quero continuar vivendo.


Não, prefiro morrer a continuar com este sofrimento.


Está faltando oxigênio, combustível da vida no pequeno Planeta que batizamos de Terra.


Minúsculo planeta, entre bilhões de estrelas que povoam o Universo, que foi esculpindo no tempo de milhões de anos as condições ideais para receber todas as formas de vida que povoam a “mãe Terra”.


Somos donos do oxigênio, da água, dos minérios e do fogo que pulsa no interior do planeta Terra que flutua no infinito espaço sideral. Somos donos de tudo, compramos tudo, escravizamos uns aos outros e toda vida na Terra. Compramos o tempo, a liberdade e a consciência das pessoas.


Eu quero respirar e não consigo. Vou comprar oxigênio, afinal o dinheiro compra tudo.


Tudo contribui para poluir o meu ar, aspiro a fumaça gerada pela queima de nossas florestas e dos animais que nelas habitam, antecipando a noite no meio do dia, sentida desde Amazônia até o sul do Brasil. Estamos atentando contra as florestas e toda vida que pulsa nelas para gerar mais dinheiro.


Sonhos de consumo de todos os modelos e cores circulam levando uma ou duas pessoas em seu interior, criando ilusões e roubando o meu ar.


Não consigo respirar. Até quando continuaremos a comprar mais carros, bugigangas e quando necessário oxigênio.


Entediados e ansiosos compramos e descartamos os excrementos de plásticos e venenos na “mãe Terra” e nas águas. O equilíbrio e a cooperação para manter a vida foi quebrado por nós. Fico pensando que podemos ser descartados por forças da natureza em nome das outras vidas na Terra que estão em perigo.


Eu quero viver, respirar o puro oxigênio, dançar na chuva, correr nos campos floridos na primavera, comer os frutos das árvores e beber água limpa em uma vertente brotando das pedras.


Não consigo respirar.


Estou com calor e sede.


Socorro.


15/01/2021


(*) Manoel Brum é diretor-presidente da CredCorreios.