OS SETE ANOS DA TRAGÉDIA DA KISS

por Luiz Alberto Cassol - publicado no Sul21 -




A cada 27 de janeiro, desde 2013, perguntas não recebem respostas. Esse silêncio, desumano e agressor, revela muito sobre o porquê da tragédia.


Qual o segredo da Kiss?


Como tamanho descaso com a vida?


Por que, em sete anos, não se aplicou a justiça?


Como se chegou até aqui?



Por que todas as pessoas envolvidas e apontadas pelo inquérito policial não foram julgadas cada uma dentro do seu devido grau de culpabilidade?


Por que a boate funcionou se ficou comprovado pelo inquérito policial que estava irregular?


Como agentes públicos não manifestaram publicamente o porquê o local estava aberto?


Como ainda muitas pessoas falam em fatalidade quando foi falta de vigor na fiscalização e ganância?


Como puderam processar três pais e uma mãe por quererem respostas?


Por que o prefeito da época não teve a atitude que se esperava dele diante da tragédia, pedindo publicamente desculpa em nome da cidade, para as mães, pais, sobreviventes e familiares?


Como pode mães, pais, sobreviventes e familiares que transformam luto e trauma em luta e solidariedade, não receberem o apoio irrestrito de toda a comunidade santa-mariense?


Por que Santa Maria não se transformou na capital nacional da prevenção e um exemplo nacional e internacional para que isso nunca mais aconteça?


Como não ser empático e solidário para com a causa das mães, pais, sobreviventes e familiares?


Como não abraçar cada mãe, cada pai, cada sobrevivente e cada familiar sempre que for possível?

Qual legado quando não se reflete verdadeiramente com tudo o que aconteceu?


Juízes, promotores, advogados, entes públicos, deem uma resposta digna de uma vez por todas!


(*) Luiz Alberto Cassol é cineasta e diretor do documentário Janeiro 27.

0 visualização

PAULO TIMM NA VALE DO MAMPITUBA WEB RÁDIO - DAS 8H ÀS 10H

rodapé ed.png