ONU RESSALTA QUE DIVISÕES, AUTORITARISMO E NACIONALISMOS NÃO AJUDAM NO COMBATE À AMEAÇA GLOBAL


O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) António Guterres disse que “divisões, autoritarismo e nacionalismos” não ajudam no combate à ameaça global. Na sua mensagem em vídeo, Guterres pediu solidariedade e ação coletiva para uma melhor recuperação da pandemia e um melhor futuro para todos. Ele ressalteou a necessidade de estruturas universais baseadas em direitos, como cobertura de saúde para todos, como forma de vencer a pandemia e para proteção no futuro. Guterres destacou que duas verdades fundamentais vieram à tona com a crise: primeiro, que a violação dos direitos humanos é prejudicial para todos; segundo, estes princípios são universais e protegem a todos.

O líder da ONU mencionou o impacto desproporcional da Covid-19 em grupos vulneráveis, incluindo trabalhadores que estão na linha de frente, pessoas com deficiência, idosos, mulheres, meninas e minorias. Por outro lado, fatores como pobreza, desigualdade, discriminação, destruição do meio ambiente e outras falhas nos direitos humanos “criaram enormes fragilidades” sociais. O secretário-geral disse que a Covid-19 “pode comprometer os direitos humanos, dando um pretexto para respostas de segurança severas e medidas repressivas que restringem o espaço cívico e a liberdade de imprensa”.

A mensagem de Michelle Bachelet, alta comissária para os direitos humanos, pediu que o mundo aja para uma reconstrução mais sustentável e justa após a pandemia. Ela destacou que a crise deixou o mundo exposto, vulnerável e enfraquecido. Bachelet realçou ainda que, mesmo com o mundo arrasado, a pandemia ofereceu percepções claras sobre como transformar o desastre em uma oportunidade de redefinir prioridades e melhorar as perspectivas de um futuro melhor.

O apelo à ação dos Direitos Humanos das Nações Unidas defende o envolvimento do público, parceiros e família da ONU no apoio a “ações transformadoras”. A organização incentiva ainda a partilha de exemplos “práticos e inspiradores” que possam contribuir para uma melhor recuperação e promoção de sociedades resilientes e justas.


A pandemia pode comprometer os direitos humanos, dando um pretexto para respostas de segurança severas e medidas repressivas que restringem o espaço cívico e a liberdade de imprensa. As Nações Unidas realçam ainda a pandemia como oportunidade para reafirmar a importância dos direitos humanos na reconstrução do mundo que se pretende, da solidariedade global, bem como da interconexão e humanidade compartilhada.


DECLARAÇÃO UNIVERSAL

No dia 10 de dezembro de 1948, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu a Declaração Universal dos Direitos Humanos. O documento foi elaborado entre janeiro de 1947 e dezembro de 1948. O objetivo era formar uma base para os Direitos Humanos em todo o mundo e representou uma mudança significativa de direção a partir de eventos como a Segunda Guerra Mundial e o colonialismo que imperava na época.


A Declaração Universal dos Direitos Humanos é considerada o documento mais traduzido da história moderna. Está disponível em mais de 360 línguas, e novas traduções ainda estão em fase de elaboração.

DIREITOS HUMANOS

Direitos Humanos são uma categoria de direitos básicos assegurados a todo e qualquer ser humano, não importando a classe social, raça, nacionalidade, religião, cultura, profissão, gênero, orientação sexual ou qualquer outra variante possível que possa diferenciar os seres humanos. Apesar de o senso comum acreditar que Direitos Humanos são uma espécie de entidade que dá suporte a algumas pessoas ou que são uma invenção para proteger alguns tipos de pessoas, eles, na verdade, são muito mais do que isso. Para entender melhor, precisamos fazer algumas distinções conceituais necessárias antes de nos aprofundar no assunto.


DIREITOS HUMANOS 2020

Foto: PNUD Bangladesh./Fahad Kaizer.


artigo de Achim Steiner, Administrador mundial do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Em todo o mundo, a pandemia COVID-19 restringiu uma ampla gama de direitos humanos básicos que muitas pessoas consideravam garantidos - desde o direito de sair de casa ou de fazer compras até o direito de viajar ou de se encontrar com a família e os amigos. Muitas dessas medidas foram necessárias para enfrentar a pandemia de frente, mas podem afetar inadvertidamente os meios de subsistência e a segurança das pessoas, seu acesso à saúde, alimentação, água e saneamento, trabalho e educação. Ao mesmo tempo, sabemos que respostas à pandemia que respeitem os direitos humanos resultarão em melhores resultados ao derrotar a COVID-19. Também ajudará a garantir saúde para todas e todos, ao mesmo tempo em que estimulará o desenvolvimento inclusivo e sustentável.

No Dia Internacional dos Direitos Humanos, somos lembrados de como a crise da COVID-19 exacerbou a vulnerabilidade dos menos protegidos e mais marginalizados em nossa sociedade. Crises em curso, especialmente conflitos armados, colocam os direitos humanos e outras proteções legais internacionais sob pressão extra. O mundo também testemunhou uma pandemia paralela de crescente violência de gênero. Na verdade, mulheres e homens, crianças, jovens e idosos, refugiados e migrantes, pobres, pessoas com deficiência, pessoas encarceradas, minorias, pessoas LGBTI, entre outras, estão todas sendo afetadas de forma diferente. No entanto, não se está fazendo o bastante. Por exemplo, uma "checklist" sobre como integrar os direitos humanos destaca a necessidade clara de os países incorporarem ainda mais os direitos humanos em sua resposta socioeconômica à crise. Com isso em mente, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) está adotando uma abordagem baseada nos direitos humanos para a resposta à COVID-19 que coloca as pessoas no centro da recuperação. Baseia-se nos princípios de participação e inclusão; responsabilidade e Estado de Direito; bem como em não-discriminação e igualdade. Nosso apoio inclui tudo, desde ajudar a reduzir a superlotação das prisões no Mali até apoiar os meios de comunicação e os jovens com a disseminação de informações corretas no Camboja. E, para reconstruir melhor, devemos promover uma recuperação que também respeite os direitos das gerações futuras. Isso inclui melhorar a ação e a justiça climáticas para trabalhar em direção à neutralidade de carbono até 2050 - e intensificar os esforços para restaurar nosso mundo natural. Para tanto, o PNUD está ajudando os governos a inserir o “DNA” de uma economia verde e de baixo carbono em todas as medidas de recuperação e estímulo - por exemplo, por meio de nossa Promessa do Clima, que atualmente apóia 115 países. Além disso, o PNUD continua a apoiar as Instituições Nacionais de Direitos Humanos que desempenham um papel central no fornecimento de respostas baseadas em direitos para a crise climática e a pandemia de COVID-19 - de Bangladesh a Serra Leoa e além.

E dado que a luta bem-sucedida contra a COVID-19 depende da imunização em massa - precisamos de uma “vacina do povo”, que deve ser vista como um bem público global. Um grupo de especialistas em direitos humanos da ONU recomendou que “todos os esforços para prevenir, tratar e conter COVID-19 devem ser baseados nos princípios fundamentais dos direitos humanos de solidariedade, cooperação e assistência internacional". Eles argumentam que “não há espaço para nacionalismo ou lucratividade na tomada de decisão sobre o acesso a vacinas, testes essenciais e tratamentos ...”.

Neste momento crítico, os países devem garantir que todas as respostas à pandemia sejam moldadas pelo respeito aos direitos humanos. O PNUD está empenhado em defender os direitos humanos para ajudar o mundo a vencer a pandemia e impulsionar o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável - em última análise, ajudando o mundo a sair desta crise com sociedades mais sustentáveis ​​e iguais.