MILHARES DE PESSOAS PARTICIPAM DE MANIFESTAÇÃO ANTIFASCISTA E ANTIRRACISTA NAS RUAS DE PORTO ALEGRE


Milhares de pessoas compareceram à manifestação "Antifascistas pela Democracia - Contra a Violência Racial", realizada na tarde deste domingo (7/6), nas ruas do Centro Histórico de Porto Alegre. O protesto começou com uma concentração na Esquina Democrática, com a presença de grupos bem heterogêneos, em um ato democrático, plural e eclético. Participaram da atividade integrantes de torcidas organizadas do Inter e do Grêmio, representantes de diversos movimentos sociais, estudantes, trabalhadores, militantes e lideranças de partidos de esquerda. Os organizadores estimam que cerca de 5 mil pessoas participaram do ato . A cada esquina, mais e mais pessoas se incorporavam à caminhada. A manifestação terminou no Largo Zumbi de Palmares, na Cidade Baixa.

Os manifestantes estavam de máscaras, com raras exceções. O ato realizado em Porto Alegre foi pacífico e faz parte de um conjunto de manifestações promovidas em diversas cidades do país. A realização do protesto gerou polêmica em função dos riscos que as pessoas estavam correndo, diante da pandemia do coronavírus, que a cada dia tem sido responsável por milhares de mortes no Brasil.


Questionados sobre os riscos que a atividade poderia representar em termos de saúde pública, em função da dificuldade de manter um distanciamento mínimo entre as pessoas, um dos organizadores da atividade (que preferiu não se identificar) afirmou que barrar o fascismo é tão importante quanto evitar a contaminação pelo coronavírus. "As pessoas que estão aqui merecem todo nosso respeito, por colocarem a questão coletiva acima, inclusive, da sua própria saúde. As pessoas que estão aqui hoje, com absoluta certeza, representam muitas pessoas que estão em casa e não vieram em função da sua condição, pela idade, por conviverem com pessoas que se enquadram no chamado grupo de risco e por receio de contágio. Nós temos que respeitar e elogiar a atitude destas pessoas. O momento político do Brasil fez com que essa multidão de pessoas assumissem um risco para defender a democracia e barrar o fascismo no Brasil", explicou.

O protesto percorreu as ruas da região central e por onde os manifestantes passavam era possível ver as pessoas nas sacadas e nas janelas, gritando palavras de ordem e de apoio à atividade. Um dos bordões que fez eco nas ruas estreitas do centro da cidade e de longe podia ser ouvido era: “recua fascista, recua; é o poder popular que está nas ruas!”  Esta é a primeira manifestação realizada em Porto Alegre, desde o início do isolamento social, que teve a participação de mais de mil pessoas. Este é o quarto domingo seguido que o grupo "Antifascistas pela Democracia" saiu às ruas de Porto Alegre. No entanto, a manifestação deste domingo entra para a história, como o primeiro protesto com mais de mil pessoas, realizado durante a pandemia do coronavírus, caracterizado pelo uso de máscaras. O grupo Antifascista pela democracia tem barrado as tentativas de manifestações e de carreatas bolsonaristas, no mesmo local onde duas mulheres e um homem foram agredidos, no dia 19 de abril, por apoiadores do presidente. Este episódio gerou uma grande repercussão nas redes sociais e como forma de reação foi criado esse grupo. Desde então, todos as manifestações favoráveis ao governo Bolsonaro, em frente ao Comando Militar do Sul, foram barradas.


O uso da máscara nos remete a um fato inusitado em relação à segurança durante os protestos. Antes da pandemia, era proibido o uso de máscaras, de lenços ou de adereços que escondesse o rosto das pessoas durante atos, protestos ou manifestações.










0 visualização

PAULO TIMM NA VALE DO MAMPITUBA WEB RÁDIO - DAS 8H ÀS 10H

rodapé ed.png