MICHAEL MOORE AFIRMA QUE INVASÃO AO CAPITÓLIO FOI PLANEJADA E REVELA NOVO ATAQUE TERRORISTA, DIA 17


O jornalista Plinio Teodoro publicou matéria no site da Fórum, na madrugada de domingo (10/1), sobre a live promovida por Michael Moore, na sua página do facebook. O escritor e documentarista norte-americano afirmou que a invasão do Capitólio por seguidores do presidente Donald Trump na última quarta-feira (6/1) foi “planejada, incitada e contou com a ajuda de membros da polícia, do partido Republicano e de militares”.




Este ataque violento não acabou”, afirmou Moore, que também revelou nas redes a organização de uma “marcha armada” próximo ao Capitólio, em Washington DC, no próximo dia 17 de janeiro.


A marcha também está sendo convocada nas capitais de todos os estados. “O ataque terrorista NÃO acabou. Milhares de pessoas do ataque terrorista de quarta-feira ao Capitólio não foram detidas e NÃO DEIXARAM a área de DC. Eles estão planejando mais ataques”, diz Moore no texto. Segundo ele, a convocação partiu de “Trump e o seu círculo íntimo, a sua família criminosa”. “A menos que estes terroristas brancos sejam presos AGORA – em massa – haverá pessoas mortas até ao Dia da Posse [de Joe Biden]”, diz ele, referindo-se à transição de poder, marcada para o próximo dia 20 de janeiro.


“Este cartaz que estou a partilhar com vocês conclama uma Marcha ARMADA no dia 17 de Janeiro. E eles estão fazendo com que isso aconteça não apenas na DC, mas em todos os estados do Capitólio nos 50 estados. Espero que este cartaz não seja real. Mas foi-me enviado por um membro do Congresso. Temos de tratar com seriedade e exigir medidas”, afirma o cineasta, ao divulgar a imagem que estaria circulando em grupos trumpistas.

VERDADES Em texto divulgado neste domingo (10), Moore lista o que, segundo ele, seriam “sete verdades críticas” sobre a invasão do Congresso dos Estados Unidos. Além da participação de republicanos, policiais e militares, o cineasta diz que “Trump foi o líder e incitador – e quando lhe foram feitos gritos de socorro para enviar a Guarda Nacional para proteger o Capitólio e os nossos representantes eleitos, Trump recusou”. Segundo ele, muitos racistas e supremacistas brancos estariam infiltrados em departamentos de polícia e nas estruturas militares do país. “Todos sabem que se as pessoas naquela multidão fossem negras, eles estariam todos mortos. Precisamos começar de novo com um novo conceito de justiça penal e novos agentes antirracistas de manutenção da paz”.