HADDAD SE EMOCIONA AO RECEBER MEDALHA DO MÉRITO FARROUPILHA


Criada em 2009, a Medalha do Mérito Farroupilha tem como objetivo reconhecer o trabalho realizado por cidadãos em prol do Rio Grande do Sul. Ex-ministro da Educação, Fernando Haddad foi agraciado com a mais alta honraria concedida pelo parlamento gaúcho justamente por sua atuação à frente do MEC, entre os anos de 2005 e 2012, e as realizações em benefício do Rio Grande do Sul.


“Talvez tu não tenhas toda a dimensão dos teus atos”, ponderou o deputado estadual Luiz Fernando Mainardi (PT), proponente da condecoração. Em seguida, o deputado gaúcho elencou algumas das conquistas obtidas pelo estado durante a gestão de Haddad no MEC.

Entre as realizações, a criação da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), com campi em 10 cidades gaúchas: Alegrete, Bagé, Caçapava do Sul, Dom Pedrito, Itaqui, Jaguarão, Santana do Livramento, São Borja, São Gabriel e Uruguaiana.


Houve também a instalação de três institutos federais: o Rio Grande do Sul (IFRS), com reitoria em Bento Gonçalves; o Farroupilha (IFF), com reitoria em Santa Maria; e o Sul-Riograndense (IFSul), com reitoria em Pelotas. Vinculados a estes institutos estão 23 unidades de educação profissionalizante espalhadas pelo estado. 


Em 2009, a gestão Haddad no Ministério da Educação (MEC) também criou a Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), com campi nos três estados da região. Além da expansão das universidades e institutos federais, o período de Haddad como ministro da Educação concedeu 182 mil bolsas pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e celebrou 103 mil contratos pelo Programa de Financiamento Estudantil (Fies).


“São políticas públicas que mudaram para sempre nosso estado e nosso país”, afirmou o deputado Mainardi. “Não há um rincão desse estado que não tenha recebido os benefícios das tuas políticas.”


Emocionado com a homenagem, Haddad destacou que todos os números da expansão de vagas no ensino superior se tornam realmente importantes quando ele lembra dos jovens que tiveram suas vidas transformadas para melhor ao ingressar numa universidade federal.

“Ter o reconhecimento disso, 8 anos depois de deixar o ministério, é algo que me comove muito, sobretudo porque sei que a maior parte dos meninos pobres não teria condição de cursar uma universidade federal se não fosse essa expansão, fora as bolsas do ProUni que também acolheram uma quantidade enorme de talentos aqui do Rio Grande do Sul, que seriam desperdiçados, infelizmente, se não fossem as bolsas de estudo concedidas pelo programa. Então é um conjunto de realizações que permite ao filho do trabalhador poder vislumbrar um futuro melhor para sua família.”

0 visualização

Jornalista Responsável - Alexandre Costa (mtb -7587)