GOVERNADOR DO RS CONSIDERA SEGURO VOLTAR ÀS AULAS, CONTRARIANDO ENTIDADES DE CLASSE E PREFEITOS


As principais entidades de classe que compõem a comunidade escolar e nove em cada dez prefeitos de municípios do Rio Grande do Sul são contrários ao cronograma de retorno às aulas no estado. Mesmo assim, nesta segunda-feira (24/8), o governador Eduardo Leite defendeu o cronograma para retomada de aulas presenciais. Leite acredita que o cronograma apresentado pelo governo para o retorno das aulas é seguro e anunciou a decisão para a próxima quinta-feira (27/8). O governador disse que terá uma nova reunião com a Famurs e com o Ministério Público, com a participação de epidemiologistas, na terça-feira (25/8). O governador espera que o encontro possa servir para consolidar uma posição sobre o retorno ou não, nas próximas semanas. Eduardo Leite considera viável a possibilidade de um retorno com regras, horários e turmas reduzidos, para faixas específicas de ensino. As informações foram repassadas durante uma coletiva de imprensa. realizada pela internet.


De acordo com pesquisa da Famurs, O governador reiterou que "nas nada será feito de forma abrupta" – respondeu Leite, durante coletiva de imprensa realizada pela internet. Pesquisa realizada pela Famurs aponta que a maioria dos refeitos são contrários ao calendário de volta das aulas proposto pelo governador, que prevê o retorno da educação infantil já na próxima segunda-feira (31/8). Dia 15 de setembro, está previsto o retorno do ensino superior e uma semana depois o ensino médio. De acordo com a proposta, o ensino fundamental retorna em duas etapas, com intervalo de uma semana.

CRONOGRAMA DE VOLTA ÀS AULAS 31/8 – Educação Infantil (público e privado)

  • 14/9 – Ensino Superior (público e privado)

  • 21/9 – Ensinos Médio e Técnico (público e privado)

  • 28/9 – Ensino Fundamental – anos finais (público e privado)

  • 8/10 – Ensino Fundamental – anos iniciais (público e privado)

MANIFESTAÇÃO DOS PROFESSORES Na manhã da última quarta-feira (19/8), o Centro dos Professores do Estado do Rio Grande do Sul (Cpers) promoveu uma manifestação em frente ao Palácio Piratini, em Porto Alegre. e em diversas cidades do interior do RS. O objetivo foi reafirmar a contrariedade em relação à proposta do governo do estado que pretende retomar as atividades a partir do dia 31 deste mês. Durante o ato, foram colocados cruzes diante do Palácio Piratini para simbolizar os professores e funcionários que já faleceram em decorrência da covid-19. O Cpergs considera inseguro o retorno às aulas, tanto para os professores quanto para alunos e seus familiares. De acordo com a entidade, as escolas podem se tornar espaços de contaminação e morte.

rodapé ed.png