EVENTO ANTIRRACISTA É ATACADO COM GRITOS DE “MACACO”

por Jornalistas Livres - 15 de fevereiro de 2021

Em São Roque: Evento do Coletivo Negro é interrompido com mensagens de apoio ao Bolsonaro, áudios de pornografia e gritos de “Macaco”. No evento contra o assédio contra a deputada Isa Penna, ocorreu uma invasão criminosa, com ataques pornográficos e com violência política de gênero que foi denunciado no plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo pela deputada Erica Malunguinho (PSOL). Este ato foi organizado pelas deputadas Marcia Lia (PT), Professora Bebel (PT) e Marina Helou (Rede).

No sábado do dia 13 de fevereiro o Coletivo Negro Dragão do Mar organizou um Evento antirracista no meet com a participação do graduando em Gestão de Políticas Públicas Kaio Gameleira, o graduando em jornalismo Pedro Ezequiel, a representante do Coletivo Larissa Medeiros e a participação de Vereadores, a Emily Idalgo de mairinque, Profª Meire de Aluminio e Paulo Juventude de São Roque.

O Evento antirrascista foi gravado e teve início com a fala do Kaio Gameleira. Próximo ao minuto 8:40 passa-se a ouvir sons de flatulência se tornando cada vez mais frequente a ponto de interromper a fala. O perfil responsável pelo barulho foi derrubado e passaram a surgir outros, colocando em seus áudios apoio ao presidente da República e no chat também foram publicados sequencialmente imagens do mesmo.

O vereador Paulo comentou “É interessante como debater o racismo incomoda os bolsonaristas, em nenhum momento foi colocado em pauta o Bolsonaro, mas parece que eles se apropriaram tanto da pauta do racismo que debater o anti racismo incomoda.” Após a conclusão da fala, em meio a confusão do áudio pode-se ouvir, vindo de um dos perfis fakes a frase“Olha Macaco!”.

A vereadora Meire ressaltou a importância de se mostrar isso, pois se falava tanto no racismo, durante o evento, e naquele momento foi evidenciado. “ Você não pode abrir uma discussão de pauta aqui, que começa a incomodar e essa é a realidade que a gente enfrenta no dia a dia.”

Enquanto os presentes discutiam sobre qual procedimento adotariam, um áudio alto tocou, impedindo a discussão, rapidamente os organizadores resolveram fazer outra sala de reunião e para dar continuidade a discussão.

O evento seguiu normalmente, e os participantes deliberaram sobre a criação de uma frente antirracista.

No dia seguinte uma figura conservadora são-roquense ironizou a reação do vereador Paulo sobre o ocorrido postando um print do “Story” do parlamentar o chamando de “lacrador que ficou bravinho”.