DONALD TRUMP NÃO ACEITA VITÓRIA DE JOE BIDEN E ESTIMULA INVASÃO DO CAPITÓLIO E GUERRA CIVIL NOS EUA


Apoiadores do presidente dos Estados Unidos Donald Trump invadiram o Capitólio, sede do Congresso norte-americano, e entraram em confronto com a polícia, em protesto contra a derrota para Joe Biden. A invasão ocorreu na tarde desta quarta-0feira (6/1) durante a sessão para ratificar a vitória de Biden nas eleições presidenciais. Os manifestantes derrubaram barricadas de metal na parte inferior dos degraus do Capitólio e obrigaram a polícia a fechar o prédio. Alguns tentaram passar pelos policiais, que, por sua vez, foram vistos atirando spray de pimenta na multidão para mantê-los afastados. Para manter a segurança, a prefeitura de Washington decretou um toque de recolher emergencial na Capital norte-americana. A Guarda Nacional também foi autorizada a entrar no Capitólio para retirar os manifestantes.


O vice-presidente Mike Pence, que iria confirmar a vitória de Biden, foi retirado às pressas do prédio, assim como outros parlamentares. De acordo com a rede de TV NBC, uma pessoa foi baleada dentro do prédio do Capitólio, mas as autoridades não informaram detalhes de como isso aconteceu. Trump havia feito um discurso afirmando que "nunca desistiremos e nunca admitiremos", referindo-se à derrota para o democrata Joe Biden na eleição do ano passado. Trump afirmou também esperar que o vice-presidente, Mike Pence, não reconheça a vitória e devolva os resultados aos Estados, para que eles passem por nova certificação.


Porém, o vice-presidente afirmou que tem o dever constitucional de confirmar a votação do Colégio Eleitoral, o que provocou protestos de Trump e inflamou os manifestantes. "Mike Pence não teve a coragem de fazer o que deveria ter feito para proteger nosso país e nossa constituição, dando aos Estados uma chance de certificar os fatos corretos, não os fraudulentos ou imprecisos que ele foi anteriormente pedido para certificar. EUA demandam a verdade!", declarou Trump, voltando a alegar que a eleição foi fraudada, o que foi rechaçado por todas as cortes eleitorais dos Estados e também pela Suprema Corte.


O presidente americano disse que as duas eleições de ontem em segundo turno para cadeiras no Senado da Geórgia também teriam sido fraudadas. Os democratas venceram uma das cadeiras e aparecem à frente na apuração da segunda, em disputa acirrada. Em sua fala, Trump também criticou colegas do Partido Republicano, que segundo ele seriam "fracos". Ele disse que as lideranças no Congresso precisam mostrar coragem nesta quarta, para não admitir a vitória que ele considera fraudulenta dos democratas. Logo após o início da sessão, os legisladores aliados de Trump questionaram a certificação dos votos do Arizona. Quando há uma objeção, os congressistas realizam um debate que pode durar até duas horas.


Depois de ter sido pressionado por Trump, o vice-presidente americano, Mike Pence, que preside a sessão, declarou em carta enviada aos legisladores que não pode interferir no processo. Já o líder do Partido Republicano no Senado, Mitch McConnell, disse que as eleições de novembro de 2020 não foram "roubadas" e que não houve fraude disseminada no pleito.


DISCURSO DE TRUMP

— Ganhamos essa eleição e ganhamos por muito — afirmou Trump, dizendo que sua vitória recente seria superior à primeira.

— Não queremos ver nossa vitória eleitoral roubada pela esquerda radical — disse, criticando também a mídia "falsa" e as gigantes do setor de tecnologia como "grandes problemas do país".

— Nossa mídia não é livre e honesta, ela está se tornando o inimigo do povo — avaliou.

— As eleições de países de terceiro mundo são mais honestas do que as do nosso país —garantiu Trump.


TOQUE DE RECOLHER

A assessora de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, informou no final da tarde desta quarta-feira (6) que a Guarda Nacional está a caminho do Capitólio, o Congressos dos Estados Unidos, para ajudar a polícia do prédio a conter os manifestantes que invadiram o local. “Sob a direção de Donald Trump, a Guarda Nacional está a caminho ao lado de outros serviços federais de proteção”, disse Kayleigh.

A prefeita de Washington decretou toque de recolher na cidade.


TRUMP PEDE PARA INVASORES DEIXAREM O CONGRESSO

“Eu sei que vocês estão tristes. Tivemos uma eleição roubada de nós. Foi uma eleição que vencemos de lavada”, afirmou Donald Trump em vídeo publicado nas redes sociais, no ordenou que seus seguidores abandonem o Congresso. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump (Republicano), ordenou a seus seguidores, com um víde no Twitter, no começo da noite desta quarta-feira (6) que eles abandonem o Congresso, depois da invasão para impedir a certificação da vitória eleitoral de Joe Biden. O republicano, porém, continuou insuflando os trumpistas ao reafirmar a desmoralizada tese de que as eleições teriam sido fraudadas contra ele.

“Eu sei que vocês estão tristes. Tivemos uma eleição roubada de nós. Foi uma eleição que vencemos de lavada”, afirmou no vídeo. “Mas vocês precisam ir para casa agora. É preso ter paz e a Lei e Ordem”, declarou ao defender novamente que os manifestantes não entrem em conflitos com a polícia. “Foi uma eleição fraudulenta, mas não podemos jogar o mesmo jogo que essas pessoas”, ressaltou. “Vão para casa, precisamos de paz”, concluiu. Mais cedo, Trump escreveu em seu Twitter “pedindo para todos no Capitólio dos EUA a permanecerem pacíficos. Sem violência!” “Lembrem-se, NÓS somos o Partido da Lei e da Ordem - respeitem a Lei e nossos grandes homens e mulheres em azul”, escreveu sobre os confrontos.

Em outra publicação, Trump afirmou: “Por favor, apoiem nossas forças da Lei e a polícia do Capitólio. Eles realmente estão ao lado do nosso país. Mantenham-se pacíficos!”