DOCUMENTÁRIO DE OLHOS ABERTOS, DO BOCA DE RUA, É SELECIONADO EM FESTIVAL DE CINEMA DE HOLLYWOOD


Criado em 2001 pelas jornalistas Rosina Duarte e Clarinha Glock. o jornal Boca de Rua, de Porto Alegre (RS), é o único produzido por pessoas em situação de rua. Todo processo de construção dos textos, as fotos e as ilustrações são elaborados em oficinas semanais. O dinheiro arrecadado na comercialização é revertido integralmente para os integrantes do grupo, constituindo uma fonte alternativa de renda. O Boca de Rua é membro da Rede Internacional de Publicações de Rua (International Network of Street Papers – INSP), entidade com sede na Escócia, que reúne jornais e revistas vendidos por populações em situação de risco de 40 países.


No ano em que completa duas décadas de vida, o projeto rompe as fronteiras e se apresenta para o mundo em forma de documentário. Lançado pela Agência Livre para Informação Cidadania e Educação (ALICE), o documentário “De Olhos Abertos”, da diretora e roteirista francesa Charlotte Dafol foi selecionado para o Hollywood Independent Filmmaker Awards, um festival de produtores independentes realizado em Hollywood, nos Estados Unidos.

“O que seria da vida não fossem os sonhos. Todo mundo dizia que era impossível fazer um jornal sem jornalistas e sem recursos. Nós contrariamos a lógica e superamos todas as dificuldades. Hoje o Boca de Rua está completando 15 anos de existência e é muito mais que um jornal feito por moradores de rua”, avaliou a jornalista Rosina Duarte , ao lado do fotógrafo Luiz Abreu, durante evento de comemoração do aniversário do Boca de Rua, em novembro de 2015. Foto: Alexandre Costa


Lançado pela Agência Livre para Informação Cidadania e Educação (ALICE), o filme conta, nas quase duas horas de duração, a história do projeto. Nestas duas décadas de existência, o grupo cresceu e a sociedade mudou. Porém, as dificuldades continuam. Pois para quem mora na rua, conseguir o que comer, achar onde dormir, cuidar de si e dos seus pertences, sobreviver à violência urbana, seguem sendo preocupações cotidianas.

A diretora do filme, Charlotte Dafol, lembra que "De Olhos Abertos" competiu com milhares de outros filmes do mundo todo, de diversos gêneros, o que já é uma grande conquista. Nascida em Paris em 1987 e vivendo no Brasil desde 2013, a cineasta, que também também é formada em História, já dirigiu sete curtas-metragens de ficção, entre 2009 e 2012, junto com estudantes de cinema, na França. É autora dos livros Pietro Germi et la comédie à l’italienne (França, 2012) e Como num romance (Brasil, 2020). De Olhos Abertos é o seu primeiro documentário longa-metragem. LEIA E VEJA OS VÍDEOS BOCA DE RUA COMPLETA 15 ANOS DE VIDA E HOJE É MAIS QUE UM JORNAL