CARLOS WAGNER: A MEMÓRIA DAS REDAÇÕES FRUSTROU A TENTATIVA DE GOLPE DE BOLSONARO

Histórias Mal Contadas - A cobertura feita pelas redações da crise deflagrada na última semana de março pela demissão do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, colocou à disposição dos leitores dos jornais (papel e sites) e ouvintes dos noticiários de rádio, TV e outras plataformas de comunicação um enorme volume de informações de uma qualidade poucas vezes vistas na imprensa brasileira. É sobre esse assunto que vamos conversar. Credito a boa qualidade do conteúdo que produzimos à habilidade que os colegas tiveram em manejar a mais importante ferramenta à disposição dos jornalistas para bem entender a situação e relatá-la de maneira simples, elegante e precisa para o nosso leitor: a história. Sem ela é impossível entender o que aconteceu. Lembro o seguinte: Jair Bolsonaro (sem partido) é o único presidente da República entre os países do G-20 que conspira contra o seu próprio governo. A tentativa de arrastar as Forças Armadas para um golpe militar foi uma conspiração articulada por ele e o Gabinete do Ódio, que é formado por um restrito círculo de pessoas que giram ao redor do presidente, entre elas os seus três filhos parlamentares: Carlos, vereador do Rio, Flávio, senador do Rio de Janeiro, e Eduardo, deputado federal de São Paulo.

Foto: Reprodução Vamos aos fatos. Lembro-me que, certa vez, lá por 2012 ou 2013, eu estava em um boteco próximo à redação do jornal Zero Hora chamado Porta Larga – um lugar cheio de histórias de jornalistas, em Porto Alegre (RS). Enquanto empilhávamos garrafas de cerveja vazias e todos falavam ao mesmo tempo, eu me dei conta que, dos 50 e poucos colegas que ali estavam, a grande maioria tinha nascido na década de 80. Eu e outros quatro ou cinco éramos os únicos “velhos” que tinham restado na redação. Quando comecei na profissão, em 1979, tive um repórter experiente, o André Pereira, que me orientou. Na época, fazia parte da tradição das redações os “focas” receberem uma espécie de mentoria dos mais experientes. A atual geração de repórteres não apenas carece da presença dos mais experientes para trocar ideias como trabalha em uma “máquina de moer gente”, que exige do profissional que faça textos, fotos, vídeos e áudios. E, em contrapartida, receba um dos salários mais baixos da história da categoria.


Para entender o governo Bolsonaro o repórter precisa conhecer a história econômica e política dos anos 60, quando aconteceu o Golpe Militar de 1964, a dos anos 80, época que os militares deixaram o poder e o país se redemocratizou, além das mudanças levadas para a política pelas novas mídias eletrônicas. É como se o jornalista entrasse em um túnel do tempo e fizesse uma viagem ao passado e outra ao futuro.

Os velhos não estão mais nas redações. Mas o conhecimento que produziram em suas matérias está disponível para as novas gerações nos livros que escreveram e nos arquivos dos jornais. Vejam bem. Nos anos 70, para se pesquisar um jornal, era preciso folhear página por página. Hoje basta apertar um botão. É isso que chamo de “a memória das redações” que está disponível para os jovens repórteres. Não é a primeira vez que o presidente Bolsonaro tenta arrastar as Forças Armadas para uma aventura. Tentou o ano passado, contando com o apoio das manifestações que pediam a volta dos militares ao poder. Desta vez ele e o Gabinete do Ódio foram mais longe. Conseguiram derrubar o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, o comandante do Exército, Edson Pujol, da Marinha, Ilques Barbosa Júnior, e da Aeronáutica, Antonio Carlos Bermudez.


O ministro foi substituído por seu colega general da reserva Walter Braga Netto, o comando do Exército será assumido por Paulo Sérgio Nogueira, o da Marinha, por Almir Garnier Santos, e da Aeronáutica, por Carlos Baptista Júnior. Usando uma linguagem militar. A barragem de fogo pesado que o presidente recebeu da imprensa colocou em pratos limpos a sua real intenção para com as Forças Armadas. Ele recuou. Mas vai tentar novamente, porque Bolsonaro é um “conspirador nato” desde a época que era tenente do Exército e acabou sendo preso por se envolver no planejamento de um atentado a bomba que seria praticado em protesto contra os baixos salários da tropa. Foi para a reserva como capitão e durante três décadas foi vereador do Rio e deputado federal pelo Rio de Janeiro.


Tenho dito nas minhas palestras para estudantes de jornalismo e colegas repórteres espalhados pelas redações de jornais e rádios do interior do Brasil que a opinião pública é formada pelos conteúdos dos noticiários. E aquelas informações que são repetidas a cada edição do noticiário acabam se grudando à memória das pessoas. Esses noticiários são feitos pelos jovens repórteres. Portanto, é importante ajudá-los, disponibilizando conhecimento e informações fáceis de serem acessadas e entendidas por eles. Conversei sobre isso em fevereiro passado com o jornalista Luiz Cláudio Cunha, 69 anos, autor do livro Operação Condor: O Sequestro dos Uruguaios. Cunha é dono de um profundo conhecimento sobre a história da ditadura militar e da redemocratização do país. Publicou dois textos no Observatório da Imprensa que são de leitura obrigatória para os repórteres: Naqueles tempos em que mataram Vlado (publicado em 16 de fevereiro), sobre o assassinato do jornalista Vladimir Herzog nas dependências do II Exército, em 25 de outubro de 1975. E A morte quase obscura de um líder exemplar no país do capitão cafajeste (16 de março), que trata da morte do ex-deputado Alencar Furtado, que foi cassado pela ditadura militar. Os dois textos são uma aula de bom jornalismo.

Para contextualizar uma matéria não é necessário transformá-la em uma tese de história. Consegue-se fazer isso acrescentando uma ou duas frases. E só a contextualização dos nossos conteúdos consegue mostrar ao leitor o absurdo que está acontecendo hoje. Enquanto os brasileiros estão mergulhados na mais avassaladora crise sanitária provocada pela Covid-19, que está causando a morte de mais de 3,5 mil pessoas por dia, com um total de mortos que já ultrapassa os 340 mil, o presidente da República cria uma crise com os militares sem necessidade.


Na quarta-feira (31/03) recebi a ligação de uma jovem repórter que trabalha em uma rádio no interior de Rondônia. Ela me perguntou se eu acreditava em golpe militar. Perguntei a ela se conhecia a Avenida Paulista, em São Paulo. Ela disse que sim. Então perguntei se ela imaginava um dinossauro andando pela Paulista. Falou que não. Acrescentei: é por isso que não acredito em golpe. Se não houvesse a pandemia, o tumulto criado pelo presidente com os militares preencheria os espaços nobres dos noticiários por muito tempo. Ele ainda não se deu conta de que o vírus é maior que ele.