PSOL ENTRA NA JUSTIÇA POR DEMISSÃO DE SECRETÁRIO DE BOLSONARO ENVOLVIDO EM CORRUPÇÃO


O PSOL protocolou uma ação popular na Justiça do Distrito Federal, na quinta-feira (16/1), assinada por Ivan Valente, líder da bancada do PSOL na Câmara; e Juliano Medeiros, presidente nacional do partido, solicitando a demissão imediata do chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) Fabio Wajngarten e de seu Secretário Especial Adjunto, Samy Liberman. A ação também pede a anulação de todos os atos assinados por Wajngarten à frente de Secom.

A iniciativa do PSOL se deu em função da reportagem da Folha de S.Paulo, demonstrando que Fabio Wajngarten recebe dinheiro de emissoras e agências contratadas pelo governo Bolsonaro, por meio da FW Comunicação e Marketing. Fabio Wajngarten tem 95% das ações. Emissoras como Record e Band pagam pelo serviço de “Controle da Concorrência” à empresa do chefe da Secom. Segundo o PSOL, o caso é uma evidente afronta à Lei de Conflito de Interesses. “A lei diz que integrantes da cúpula do governo são proibidos de manter negócios com pessoas físicas ou jurídicas que possam ser afetadas por suas decisões. A prática implica conflito de interesses e configura ato de improbidade administrativa”, diz a nota.


0 visualização

Jornalista Responsável - Alexandre Costa (mtb -7587)