PORTO ALEGRE À ESPERA DO FÓRUM SOCIAL DAS RESISTÊNCIAS


Porto Alegre e cidades da Região Metropolitana vão sediar o Fórum Social das Resistências 2020, de 21 a 25 de janeiro, que terá como lema “Democracia, Direitos dos Povos e do Planeta”. A tradicional marcha de abertura será realizada no dia 21 de janeiro, a partir das 17h, no Largo Glênio Peres, no centro da capital gaúcha. O Fórum Social das Resistências está sendo organizado pelos movimentos sociais do Rio Grande do Sul e segue o mesmo padrão do Fórum Social Mundial (FSM), evento que iniciou em 2001, em Porto Alegre, e ficou conhecido pelo slogan "Um outro mundo é possível". A programação do FSResistência2020 ainda não está fechada e, de acordo com os seus organizadores, assim que estiver finalizada será amplamente divulgada, com todas as atividades, com data, horários e locais de realização.

No dia 22 de janeiro serão realizadas as Assembleias de Convergências, cada uma em algum território da periferia ou na região central de Porto Alegre ou de alguma cidade metropolitana. No dia 23 serão promovidas as Mesas de Debates, com convidados nacionais e internacionais, enquanto as questões elencadas nas assembleias de convergências estarão sendo sistematizadas para apresentação e debate, no dia 24, quando será realizada a Assembleia dos Povos.

Nos dias 25 e 26 de janeiro ocorrerá a reunião do Conselho Internacional do FSM e o encerramento do FSResistência2020, com atividades nos parques e praças de Porto Alegre.

As inscrições já estão abertas e podem ser realizadas no site http://forumsocialportoalegre.org.br/

CARTA ABERTA DE CONVOCAÇÃO

Democracia, Direitos dos Povos e do Planeta. Com este lema, em janeiro de 2017 realizamos o 1o Fórum Social das Resistências em Porto Alegre. Sem qualquer recurso público, foi um Fórum Social marcante pela mobilização de mais de 5 mil pessoas que realizaram uma grande marcha de abertura e durante quatro dias participaram de assembleias de convergências, culturas e cine de resistências e de uma Assembleia das Assembleias no Auditório Araújo Viana.

Depois disto, o crescimento das agendas neofascistas, neoliberais e de retirada de direitos se aprofundaram tanto no Brasil como no resto do mundo. Os EUA intensificaram seus ataques aos países não alinhados da América Latina, do Oriente Médio e da Ásia. Os movimentos de orientação fascista e antidemocrática seguiram crescendo, não só nos espaços institucionais, mas também na base de nossas sociedades. Essas derrotas ocorreram a partir de uma ofensiva articulada das forças de direita, nacionais e internacionais, utilizando-se dos novos mecanismos das mídias sociais, do cerco da imprensa corporativa e da crise econômica, social e ambiental que se agrava a cada ano. Sabemos que a agenda defendida pelo mercado capitalista e incorporada pela extrema-direita visa a retirada de direitos sociais, a restrição de direitos políticos das classes populares, a exploração sem precedentes da natureza e o aprofundamento da concentração de riquezas nas mãos de apenas 1% da humanidade.

Frente a estas ofensivas neoliberais crescem movimentos de resistência, locais, nacionais e internacionais. Temos assistido mobilizações dos povos indígenas do Equador, de jovens na Argentina e no Chile, de milhões de pessoas no Iraque, de ações de resistência no Haiti, na Colômbia e em países da Asia. No Brasil, desde a posse do novo governo, são centenas de ações, mobilizações e movimentos de resistências contra as políticas neoliberais e de retirada de direitos.

Esta realidade coloca as defensoras e defensores da democracia, da solidariedade e dos direitos humanos em estado de alerta e exige um esforço extra no processo de articulação de uma agenda capaz de produzir uma unidade mundial do campo democrático e popular entorno de propostas capazes de enfrentar as crises ambiental, econômica, social e a crise dos valores democráticos. Por isso, é uma exigência que os movimentos altermundialista se reúnam para refletir e propor saídas comuns para a humanidade, numa ótica solidária, democrática, de respeito as diversidades, que busque enfrentar as causas das várias formas de violências, das desigualdades sociais e territoriais.

Os Fóruns Sociais, apesar de seus limites, seguem sendo espaços abertos, plurais, de encontros horizontais e debate democrático que já produziram iniciativas comuns e podem contribuir na formulação de propostas e na articulação de ações capazes de se opor ao domínio do capital e de todas as formas de dominação. Por isso, convidamos à todas e todos para se somarem a realização do 2o Fórum Social das Resistências de 21 a 25 de janeiro de 2020 em Porto Alegre e Região Metropolitana, uma importante oportunidade de encontro, troca de experiências e de acúmulos de forças.

O FSResistências2020 soma-se as outras iniciativas que estão sendo articuladas, como o Fórum Social Panamazônico que será realizado de 22 a 25 de março de 2020 em Mocoa/Colômbia e o Fórum Social das Economias Transformadoras que será realizado de 25 a 28 de junho de 2020 em Barcelona/Espanha. Soma-se ao processo de mobilização e articulação do Fórum Social Mundial que será realizado no final de 2020 ou início de 2021 na cidade do México.

Acreditamos que as inúmeras formas de resistências dos povos, dos territórios e dos movimentos contra o neoliberalismo representam possibilidades de mudanças que estão sendo construídas na prática. Por isso, convidamos para que todas as organizações, redes, movimentos e pessoas comprometidas com a construção de uma sociedade solidária, radicalmente democrática, ambientalmente sustentável e socialmente justa que se somem ao processo de organização e realização do Fórum Social das Resistências 2020. Frente aos enormes desafios do atual momento da humanidade é impossível ficar parado.

Comprometa-se com as mudanças.

Grupo Facilitador do FSResistências2020


10 visualizações

Jornalista Responsável - Alexandre Costa (mtb -7587)