“JOGO DE PROMISCUIDADE”, DIZ GILMAR MENDES SOBRE MENSAGENS VAZADAS


Gilmar Mendes nunca escondeu sua posição crítica aos métodos da Operação Lava Jato. Para o ministro do STF, entrevistado na sexta-feira 13 pela Folha de S. Paulo e portal UOL, as trocas de mensagens reveladas pelo site The Intercept Brasil mostram um “jogo de promiscuidade” entre as partes envolvidas na força-tarefa.

Para o ministro do Supremo Tribunal Federal, as conversas entre juiz e procuradores demonstram desrespeito à lei e ferem o modelo de Estado de Direito. Defendeu, ainda, uma manifestação de mea culpa. “Simplesmente dizer: nós erramos, fomos de fato crápulas, cometemos crimes. Queríamos combater o crime, mas cometemos erros crassos, graves, violamos o Estado de Direito”, disse Mendes aos jornalistas Thais Arbex, da Folha, e Tales Faria, do UOL.

O próprio integrante da Corte esteve na mira dos procuradores da Lava Jato. Vazamentos divulgados no dia 6 de agosto pelo El País em parceria com o The Intercept Brasil mostram que Deltan Dallagnol e outros procuradores do Ministério Público Federal tentaram coletar dados para afastar Gilmar Mendes.

As conversas apontam que os procuradores chegaram a acionar investigadores na Suíça para tentar reunir munição contra o ministro. Uma aposta era que Gilmar estivesse diretamente ligado a Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, preso em Curitiba num desdobramento da Lava Jato e apontado como operador financeiro do PSDB.

Outro ponto atacado pelo ministro foi a CPI da Lava Toga. Gilmar Mendes disse que trata-se de uma medida inconstitucional que a própria Corte terminaria por arquivar. “Se essa CPI fosse instalada, produziria nenhum resultado. Certamente, o próprio Supremo mandaria trancá-la”, disse à Folha.


4 visualizações

Jornalista Responsável - Alexandre Costa (mtb -7587)