IMPRENSA E JUDICIÁRIO SÃO CONIVENTES COM OS CRIMES CONTRA A DEMOCRACIA BRASILEIRA E TERÃO DE ACERTAR


Desde o processo de retirada da ex-presidenta Dilma Rousseff, que foi nada mais nada menos que um golpe travestido de impeachment, o Brasil passou a ser comandado pelas quadrilhas e milícias políticas que tomaram de assalto os três poderes do país. E a chamada “grande imprensa” foi e tem sido conivente com esse projeto que entrega o patrimônio público e as riquezas naturais do país a empresas multinacionais e retira direitos do povo brasileiros, por meio de mudanças a partir de reformas, decretos e leis.

O silêncio vergonhoso de jornalistas que se tornaram reféns da falsa isenção, é simplesmente revoltante. Cabe lembrar que a imprensa cumpriu papel estratégico e determinante junto à opinião pública, para criar uma “verdade”, artificialmente construída no imaginário dos brasileiros, em que o PT, o ex-presidente Lula e seus aliados passaram a ser vistos como corruptos e responsáveis pelo cenário desolador do país, em momentos cruciais que antecederam o impeachment e as eleições presidenciais.

Os jornais e telejornais inundaram o Brasil com manchetes sobre escândalos, desvios de recursos, deficiências nas mais diversas áreas e ineficiências de inúmeros serviços, o que pode ser traduzido como uma ofensiva para desmoralizar o serviço público e o estado de maneira geral. Por outro lado, a imprensa transformou a Operação Lava-Jato em uma tábua de salvação. O maior canal de televisão do país foi responsável pelo suporte às megamanifestações de norte a sul do país, na qual a camisa amarela da seleção brasileira passou a ser um símbolo de combate à corrupção, tendo como herói o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Se por um lado o Executivo e o Legislativo são parceiros no desmonte do estado, por outro a Justiça e a imprensa garantem uma naturalidade à falsa isenção e imparcialidade.

Juristas, jornalistas, lideranças políticas de todas as partes do planeta denunciaram o esquema criminoso do golpe, assim como a prisão de Lula e a manutenção dele no cárcere, evitando que fosse candidato ou que manifestasse apoio a Fernando Haddad e Manuela D’Ávila. O conluio criminoso das togas age em parceria com o projeto de usurpação do Brasil, a partir de estratégias criadas principalmente na Casa Branca.

O que realmente está por trás deste movimento é muito maior do que a capacidade que nós temos de interpretar o cenário político e econômico mundial. É como se estivéssemos em um jogo, no qual o Brasil é mero coadjuvante, praticamente invisível em meio às peças grandes e fortes que estão no tabuleiro.

Recentemente, mais precisamente na terça-feira (23/7), empresas norte-americanas assumiram o controle da distribuição de gasolina e diesel no Brasil. Segundo a Federação Única dos Petroleiros (FUP), a venda de 35% da BR Distribuidora - subsidiária da Petrobras - a 160 investidores, rendeu R$ 8,6 bilhões ao país.

Agora, o próximo passo será vender as refinarias para que o setor de petróleo do Brasil seja total e definitivamente controlado pelos EUA.

Se quiser saber um pouco mais sobre os conluios com o governo americano contra os interesses nacionais, com a entrega do pré-sal às petroleiras estrangeiras e privatização forçada da Petrobras, em fatias, para destruir a maior empresa brasileira, assista o vídeo de apenas 6 minutos, produzido pela Associação dos Engenheiros da Petrobras.

Poderia ser um filme sobre espionagem e traição, baseado em fatos reais, mas é um relato verdadeiro do que vem acontecendo no Brasil desde 2013.

Confira o vídeo da Associação dos Engenheiros da Petrobras (AEPET) e a cronologia dos fatos.

http://www.esquinademocratica.com/single-post/2019/07/29/PETROBRAS-A-HIST%C3%93RIA-DE-UMA-TRAI%C3%87%C3%83O-EM-V%C3%8DDEO-DE-6-MINUTOS


rodapé ed.png