GLENN DIZ QUE TEM MATERIAL “EXPLOSIVO" E QUE TODOS JORNALISTAS QUEREM AS INFORMAÇÕES, MENOS A G


O Diário do Centro do Mundo publicou uma nota, na coluna "O Essencial", sobre a participação de Glenn Greenwald no programa de rádio Pânico, da Jovem Pan, nesta quinta-feira (13/6). O site Brasil247 também publicou matéria sobre a participação de Glenn no Pânico, quando o mesmo afirmou que todos os jornalistas do Brasil querem ter acesso ao vazamento que revelam as conversas, menos as organizações Globo, pois a emissora "quer diminuir a vaza jato e proteger Moro".

Segundo o site Brasil247, Glenn confirmou que conversou com a Globo sobre uma parceria de divulgação de material, como disse em nota a emissora, mas que teria sido informado que "o João Roberto Marinho [um dos donos da emissora] proibiu seus funcionários de trabalharem com ele há seis meses". Ele afirmou ainda que pretende compartilhar o material com quem quiser.

O jornalista, hoje no Intercept, já havia firmado parceria com a empresa na divulgação das informações vazadas por Edward Snowden. Pelo Twitter, ele respondeu à nota da Globo e diz que, "ao difamá-lo, o objetivo da emissora é claro: distrair a atenção da substância das reportagens que expõe sérios desvios na conduta de Moro, Deltan, e a força-tarefa da Lava Jato".

Lula

Para Glenn Greenwald, o vazamento expõe que Moro quebrou todas as regras éticas. Ele também defende a anulação da sentença que condenou Lula. "Ele precisa ser julgado de forma justa, por um juiz que segue regras", ressalta.

O editor do Intercept ainda diz que a quinta parte da divulgação, feita na noite desta quarta-feira (12) e que traz o contexto dos diálogos divulgados anteriormente, além de novas conversas, mostra que os procuradores deixam claro que precisam vetar a entrevista de Lula para prejudicar a candidatura do então candidato Fernando Haddad, explicita o caráter político da Lava Jato.

ENTREVISTA DE GREENWALD À JOVEM PAN

Glenn Greenwald, responsável pela reportagem do Intercept que vazou conversas entre o então juiz Sergio Moro e Deltan Dallagnol, esteve no Pânico desta quinta-feira (13/6). Em conversa com a bancada, ele explicou que seu casamento com David Miranda, deputado federal do PSOL e defensor do PT e de Lula, não tem relação com o material divulgado.

De acordo com ele, as pessoas afirmam que ele quer “atacar e destruir a Lava Jato”, mas que este não é o caso.

“Ninguém pode dizer que tenho algo contra a Lava Jato. Acredito que estamos fortalecendo a luta contra a corrupção, não enfraquecendo, esse é nosso objetivo.”

Glenn relembrou de história que, em 2017, ele foi escolhido para fazer o discurso e dar um prêmio para quem estava lutando contra a corrupção. Sem saber os finalistas, ele acabou sabendo que a força-tarefa da Lava Jato estava entre eles.

“No meu discurso eu defendi e elogiei muitas coisas do trabalho da Lava Jato. O Deltan botou meu discurso no Facebook dele, me chamou de renomado. Esse post viralizou. Eu estava defendendo o trabalho da Lava Jato eu acho que corrupção é um problema muito grave neste país, não de esquerda ou direita”, lembrou.

Ele resume a ação à prática do que considera ser um bom jornalista. “Todos os jornalistas precisam decidir o que deve ou não ser publicado. Não somos WikiLeaks, não estamos publicando tudo que recebemos sem entender o que temos, estamos fazendo o trabalho com muito cuidado, muito responsável, deixamos bem claro que não publicaremos nada sobre assuntos privados. Só documentos de interesse público”, concluiu.


0 visualização

PAULO TIMM NA VALE DO MAMPITUBA WEB RÁDIO - DAS 8H ÀS 10H

rodapé ed.png