INTERVENÇÃO MILITAR DOS EUA NA VENEZUELA NÃO FAZ SENTIDO, DIZ MOURÃO


O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta quinta-feira (21) que as ameaças de intervenção militar dos Estados Unidos na Venezuela são "prematuras" e ela "não faria sentido". Acho que eles [EUA] estão mais no campo da retórica do que na ação", disse Mourão em entrevista à AFP. "A Venezuela tem que ser resolvida pelos venezuelanos." O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou que a fronteira do país com o Brasil será "completamente" fechada e não há previsão de abertura. "Essa reação é simplesmente uma maneira de impedir o processo de ajuda humanitária", disse Mourão, acrescentando que a Venezuela "tem o direito de fazer o que quiser em seu lado da fronteira". O porta-voz da presidência, Otávio Rego Barros, também descartou a possibilidade da decisão de Maduro causar "atritos" entre os vizinhos. A decisão de Maduro ocorreu dois dias antes do prazo estabelecido pelo líder da oposição, Juan Guaidó, para que a ajuda humanitária armazenada na Colômbia, no Brasil e na ilha de Curaçao fosse levada à Venezuela. O auto-proclamado presidente interino partiu em um comboio de veículos de Caracas para a fronteira com a Colômbia na quinta-feira para cuidar pessoalmente da entrada de ajuda.

Uma passagem de fronteira entre os dois países continua bloqueada pelos militares. Maduro promete não permitir a entrada. O líder venezuelano também afirmou que está considerando "um fechamento total da fronteira com a Colômbia". A ajuda humanitária assumiu um papel central na disputa de poder entre Maduro e Guaidó.

PUBLICADO ORIGINALMENTE EM:

https://br.sputniknews.com/americas/2019022113362147-mourao-intervencao-militar-eua-maduro/


6 visualizações

Jornalista Responsável - Alexandre Costa (mtb -7587)