PAPA DIZ QUE AS DITADURAS COMEÇAM COM A COMUNICAÇÃO CALUNIOSA


Durante a missa desta segunda-feira (18), o Papa Francisco afirmou que as ditaduras começam com a comunicação caluniosa. "Se concede todo o aparato da comunicação a uma empresa, a uma sociedade que faz calúnia, diz falsidades, enfraquece a vida democrática. Depois vêm os juízes a julgar essas instituições enfraquecidas, essas pessoas destruídas, condenam e assim vai avante uma ditadura. As ditaduras, todas, começaram assim, adulterando a comunicação, para colocar a comunicação nas mãos de uma pessoa sem escrúpulo, de um governo sem escrúpulo", disse Francisco, sem mencionar o caso do Brasil e a visita frustrada do advogado Juan Grabois, que é próximo ao Papa Francisco, ao ex-presidente Lula.

Na semana passada, Juan Grabois veio ao Brasil visitar Lula e trouxe um terço abençoado pelo pontífice para dar de presente ao ex-presidente. Além de ser impedido de visitar Lula, a visita de Grabois foi totalmente distorcida pelo Vatican News, sendo usada por agências de checagem de dados, como Lupa e Aos Fatos, para atacar sites independentes como Brasil 247, Diário do Centro do Mundo e Revista Fórum.

Após diversas denúncias, o texto do Vatican News foi corrigido. A nota original se referia a Grabois como "ex-consultor" e que a sua viagem ao Brasil era "em caráter pessoal".

Leia a nova nota oficial do Vaticano

Corrigindo um nosso serviço precedente sobre o caso Grabois-Lula, devemos ressaltar que havia imprecisões na tradução e nas transcrições que induziram a alguns erros. Abaixo apresentamos a notícia correta.O advogado argentino Juan Gabrois é Consultor do ex-Pontifício Conselho Justiça e Paz, que passou a fazer parte do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, e é o coordenador do encontro mundial dos movimentos sociais em diálogo com o Papa Francisco.

Grabois concedeu uma entrevista (https://youtu.be/A7F-C1Bi5Q0) depois de ter sido impedido de visitar o ex-presidente Lula no Cárcere de Curitiba, onde está detido há mais de dois meses. Grabois definiu inexplicável a rejeição de não ter podido se encontrar com Lula a quem queria levar um Terço abençoado pelo Papa, as palavras do Santo Padre e as suas reflexões com os movimentos sociais e discutir assuntos espirituais com o ex-chefe de Estado.

Grabois disse que está muito preocupado com a situação política no Brasil e em vários países da América Latina. Enfim, disse estar muito triste pela proibição de realizar esta visita, mas que o importante é ter conseguido levar a Lula o Terço.


11 visualizações

Jornalista Responsável - Alexandre Costa (mtb -7587)