Manuela d'Ávila: temos de criar pontes no nosso campo e não bater boca


"Temos de criar pontes entre o nosso campo político. Precisamos ter calma para dialogar", disse a pré-candidata à Presidência Manuela d´Ávila (PCdoB), em evento promovido na tarde desta sexta-feira (25) pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Para ela, que não falou em nomes, "não é momento de ficar batendo boca no jornal", mas discutir unidade em torno de um programa que preveja fortalecimento do Estado. "Esses caras estão destruindo o país com uma velocidade avassaladora. É preciso barrar com velocidade os planos da turma de lá. A vitória eleitoral é o caminho que temos hoje", afirmou.

A deputada estadual gaúcha reafirmou o direito de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – a quem chamou de "preso político" – concorrer este ano. Mas, acrescentou, respondendo a uma pergunta da plateia, que é direito do PCdoB apresentar sua própria candidatura. "A história vai mostrando onde a gente está."

Um pouco antes, o presidente da CTB, Adilson Araújo, havia falado sobre esse tema. "Vamos lutar para que o presidente Lula tenho o direito de ser candidato. O centro da disputa política exige um projeto. Nós acreditamos que a Manuela pode defender esse projeto. Temos posição clara. Vamos fazer todo o esforço para unir a esquerda", disse o sindicalista. Um programa que se contraponha ao atual – para Adilson, "a ruptura democrática (representada pelo impeachment de Dilma Rousseff) deu curso a uma nova agenda, ultraliberal".

O atual governo não tem compromisso com o país e nem com a população, comanda um projeto anti-nacional, disse Manuela, citando inicialmente a Petrobras e defendendo a "recomposição" da capacidade de investimento do Estado, inclusive como impulsionador do investimento privado. "Qual a razão de termos uma empresa como a Petrobras se ela não está altamente conectada com um projeto de desenvolvimento?", questionou. "Nesse debate também entra a questão dos bancos públicos."

Quem fala em redução do papel do Estado, acrescentou Manuela, defende na verdade um "Estado pequeno para o povo, mas generoso com os ricos". A pré-candidata se manifestou pela revogação da Emenda Constitucional 95, de teto dos gastos públicos, e da Lei 13.467, de "reforma" trabalhista. "Se não garantirmos direitos aos trabalhadores, de que serve o crescimento do país?"

A deputada citou ainda a política de valorização do salário mínimo, cuja validade termina em 2019. "Eu também acredito que a gente deva discutir a redução da jornada de trabalho. Isso tem impacto na geração de emprego."

Caminhoneiros

Sobre a Petrobras, ela afirmou que a empresa enfrentou problemas, mas enfatizou a política desenvolvida pela estatal nos anos anteriores ao do atual governo. "Não caio no papo de dizer que a Petrobras foi um desastre no último período. Houve desvios, mas a Petrobras fez parte de um bom período que a gente viveu", afirmou Manuela, que ironizou o atual presidente da empresa, Pedro Parente: era o "ministro do apagão" no governo Fernando Henrique e agora se torna um dos responsáveis pela crise de desabastecimento no país, em consequência da greve dos caminhoneiros. Em breve, emendou, ele "vai pedir música no Fantástico", referência ao programa da TV Globo que dá essa opção aos jogadores que fazem três gols em uma partida.

Em relação à crise atual, Manuela considera mais um sinal de "falta de legitimidade" do governo. "Qual a capacidade de interlocução que eles têm?", questionou. Para ela, convocar o Exército contra os caminhoneiros "é botar lenha na fogueira, agravar a crise".

Este foi o segundo encontro promovido pelo Sindicato dos Metalúrgicos, que já havia levado Ciro Gomes (PDT). "Vamos trazer apenas os pré-candidatos ligados ao campo progressista", disse o presidente da entidade, Miguel Torres, também vice da Força Sindical. "Não vamos trazer Bolsonaro, o Alckmin, o Rodrigo Maia, porque sabemos o posicionamento deles. É ano eleitoral, nós temos de saber escolher. E não deixar eleger aquela cambada que votou contra nós no Congresso Nacional."

PUBLICADO ORIGINALMENTE EM:

http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2018/05/manuela-temos-de-criar-pontes-no-nosso-campo-e-nao-bater-boca


rodapé ed.png