A RESISTÊNCIA PELA ARTE ENFRENTA OS RETROCESSOS DO FASCISMO


A direita brasileira é atrasada, reacionária, fascista e preconceituosa. O falso moralismo que fez a classe média bater panela e apoiar o golpe é repugnante. Incriminaram Dilma Rousseff pelas pedaladas fiscais, mas são omissos, covardes e coniventes diante da corrupção comprovada de Temer e sua quadrilha. A manifestação pelo fechamento da exposição Queermuseu – Cartografias da diferença na arte brasileira, do Santander Cultural de Porto Alegre, é mais uma demonstração do potencial de ataque da direita para impor sua ideologia e se apropriar do estado.

O vídeo do Mídia Ninja mostra a truculência da Brigada Militar durante manifestação em frente ao prédio do Santander, em Porto Alegre. De um lado ficaram os que defendem a exposição. Do outro, aqueles que a denunciaram. Para evitar um confronto entre contrários e favoráveis à exposição, a Brigada Militar resolveu dispersar os manifestantes.

Militantes do MBL que estavam na Praça da Alfândega, onde fica o Santander Cultural, foram expulsos pelos manifestantes a favor da exposição. O youtuber do canal Mamãe Falei, Arthur do Val, afirmou ter sido agredido após fazer filmagens em meio aos manifestantes.

TRUCULÊNCIA E PARCIALIDADE

O fotógrafo Ricardo Stricher flagrou o tratamento vip concedido pela Brigada Militar aos integrantes do Movimento Brasil Livre. Além da proteção da tropa, os militantes do MBL deixaram o local em veículos da BM. A generosidade da BM para com os ativistas do MBL é de uma parcialidade preocupante e comprometedora. Utilizaram a força, spray de pimenta e cassetetes nos defensores da Queermuseu, dos movimentos sociais, partidos de esquerda, artistas, estudantes, integrantes de coletivos feministas e GLBTs e da imprensa.

IMPRENSA REPUDIA TRUCULÊNCIA DA BM

A Associação Nacional de Jornais (ANJ), a Federação Nacional das Empresas de Rádio e Televisão (Fenaert), o Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul (Sindjors) e a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) se manifestaram na quarta-feira, 13 de setembro, sobre a agressão sofrida pela jornalista Isadora Neumann, de Zero Hora foi atingida por gás de spray de pimenta durante a manifestação. O Sindjors repudiou a truculência da BM e a prisão do jornalista Douglas Freitas, detido enquanto registrava a manifestação. Outro caso lembrado pela entidade foi o da prisão do repórter do Jornal Já Matheus Chaparini, que foi levado ao presídio enquanto cobria ocupação de estudantes na Secretaria da Fazenda em Porto Alegre, no ano passado.


16 visualizações

Jornalista Responsável - Alexandre Costa (mtb -7587)