TARSO AFIRMA QUE O PT NÃO SOUBE REAGIR À CRISE, MAS ISSO NÃO SIGNIFICA QUE A ESQUERDA MORREU


Tarso Genro é um dos políticos brasileiros mais conceituados, seja aqui no Rio Grande do Sul, seja no centro do país ou no Velho Mundo. Respeitado pelos intelectuais da Europa, por conta da bagagem teórica, do conhecimento acadêmico e pelo fato de estar sempre atento ao mundo contemporâneo e as novas tendências, Tarso fala com naturalidade sobre política, em toda e qualquer esfera. Na tarde fria desta segunda-feira (18/7), o ex-governador do Estado, que foi prefeito de Porto Alegre por duas vezes e esteve presente no governo Lula, como ministro da Justiça, da Educação e das Relações Institucionais do Brasil, me recebeu em seu novo escritório para uma rápida entrevista.

Em 20 minutos foi possível abordar temas relacionados à política, ao Partido dos Trabalhadores, sobre o momento pelo qual passa o país e sobre o futuro e suas incertezas. A partir desta terça-feira (19/7), após a edição do material, a entrevista em vídeo estará disponível, dividida em partes. Tarso afirma que o PT não soube reagir a crise. "Mas isso não significa que a esquerda morreu e o PT não tenha a oportunidade de se recuperar. O PT é um partido grande, forte, tem uma militância extraordinária e dirigentes de alta qualidade. Porém, para superar essa crise, é necessário muito debate e autocrítica. Será preciso renovar o seu programa e seus procedimentos”, analisa.


4 visualizações

Jornalista Responsável - Alexandre Costa (mtb -7587)