Estudantes de colégio de Porto Alegre lançam campanha pelo direito de usar short no verão


Meninas argumentam que colégio deve ensinar os homens a não sexualizar seus corpos | Foto: Creative Commons/Pixabay

publicado originalmente no site:

http://www.sul21.com.br/jornal/estudantes-de-colegio-de-porto-alegre-lancam-campanha-pelo-direito-de-usar-short-no-verao/

As alunas do ensino Fundamental e Médio do Colégio Anchieta, de Porto Alegre, lançaram nesta terça-feira (23) uma campanha online exigindo a permissão para usarem short na escola. Uma petição em apoio às meninas já têm mais de 4.500 assinaturas, e elas continuam arrecadando mais apoiadores pelas redes sociais. As estudantes argumentam que a proibição é uma medida machista por parte da instituição. “Exigimos que a instituição deixe no passado o machismo, a objetificação e sexualização dos corpos das alunas; exigimos que deixe no passado a mentalidade de que cabe às mulheres a prevenção de assédios, abusos e estupros; exigimos que, ao invés de ditar o que as meninas podem vestir, ditem o respeito”, afirmam.

Para elas, esse tipo de regra reforça a ideia de que cabe às meninas “se cobrir” para evitar assédios, a partir da perspectiva de que isso seria “da natureza do homem e que é responsabilidade das mulheres evitar esse tipo de humilhação”. Uma solução melhor do que proibir as jovens de usar a peça seria, argumentam, ensinar os estudantes e professores a não sexualizar o corpo feminino. “Nós somos adolescentes de 13-17 anos de idade. Se você está sexualizando o nosso corpo, você é o problema”, destacam.

Elas apontam ainda que a educação que recebem é voltada estritamente para o vestibular e Enem, sem se preocupar com outros valores. “Ao invés de ensinar que a minha decência e o meu valor dependem do comprimento do meu short ou do tamanho do meu decote, ensine aos homens que eu sou a única responsável pela definição da minha decência e do meu valor. Ensine aos homens o respeito, desconstrua o pensamento de que a roupa de uma mulher decreta se ela é ou não merecedora de respeito”.

O movimento inspirou outros colégios de Porto Alegre. Na manhã desta quarta-feira (24), estudantes do Colégio Metodista Americano criaram a página “Short no Americano“, que conta com 500 curtidas, questionando por que as meninas não podem usar short mesmo estando com calor no verão.

Leia a carta completa das estudantes do Anchieta:

VAI TER SHORTINHO SIM

Nós, alunas do ensino fundamental e médio do Colégio Anchieta de Porto Alegre, fazemos uma exigência urgente à direção. Exigimos que a instituição deixe no passado o machismo, a objetificação e sexualização dos corpos das alunas; exigimos que deixe no passado a mentalidade de que cabe às mulheres a prevenção de assédios, abusos e estupros; exigimos que, ao invés de ditar o que as meninas podem vestir, ditem o respeito.

Regras de vestuário reforçam a ideia de que meninas tem que “se cobrir” porque garotos serão garotos; reforçam a ideia de que assediar é da natureza do homem e que é responsabilidade das mulheres evitar esse tipo de humilhação; reforçam a ideia de que as roupas de uma mulher definem seu respeito próprio e seu valor.

Ao invés de humilhar meninas por usar shorts em climas quentes, ensine estudantes e professores homens a não sexualizar partes normais do corpo feminino. Nós somos adolescentes de 13-17 anos de idade. Se você está sexualizando o nosso corpo, você é o problema.

Quando você interrompe a aula de uma menina para forçá-la a mudar de roupa ou mandá-la pra casa por que o short dela é “muito curto”, você está dizendo que garantir que os meninos tenham um ambiente de aprendizagem livre de “distrações” é mais importante do que garantir a educação dela. Ao invés de humilhar meninas pelos seus corpos, ensinem os meninos que elas não são objetos sexuais.

Ao invés de ensinar que a minha decência e o meu valor dependem do comprimento do meu short ou do tamanho do meu decote, ensine aos homens que eu sou a única responsável pela definição da minha decência e do meu valor. Ensine aos homens o respeito, desconstrua o pensamento de que a roupa de uma mulher decreta se ela é ou não merecedora de respeito.

O Colégio Anchieta diz ser um colégio que ensina a pensar e fazer o futuro, mas nós não vemos nada de futuro em suas aulas e suas políticas. Não discutimos temas atuais, fenômenos sociais; não aprendemos política; nunca ouvimos falar de feminismo, machismo, sexismo, racismo e xenofobia em sala de aula; não aprendemos sobre opressão de classe, gênero e raça; não nos falaram sobre o desastre da Vale/Samarco nem sobre as operações anticorrupção acontecendo no Brasil; não nos explicam sobre cotas para universidade; não nos ensinam a diferença entre opinião e discurso de ódio; não nos ensinam o mínimo para compreender e para viver em sociedade.

A prioridade é ensinar para o ENEM e vestibulares, entendemos. Mas a educação social e política não pode ser deixada de lado. É por meio dela que construiremos uma geração melhor que a anterior; é por meio dela que criaremos um mundo onde mulheres não serão julgadas e humilhadas pelas roupas que escolhem vestir, pela forma que tem ou por quantas pessoas já transaram; é por meio dela que acabaremos com a realidade de que, a cada 2 minutos, 5 mulheres são espancadas no Brasil e, a cada 11 minutos, 1 é estuprada; é por meio dela que criaremos um mundo onde cotistas não precisarão ouvir que “roubaram a vaga” de alguém que estudou a vida inteira em colégio particular; um mundo onde mães de crianças negras tenham certeza de que, no fim do dia, seus filhos voltarão pra casa; um mundo onde não perderemos mais vidas para a Guerra Às Drogas; onde mulheres não morrerão em clínicas clandestinas de aborto; onde a religião e a política não se misturarão; onde o capital não será mais importante do que a vida; onde os problemas de hoje serão solucionados.

Nós, alunas do ensino fundamental e médio do Colégio Anchieta, nos recusamos a obedecer a regras que reforçam e perpetuam o machismo, a cultura do estupro e slut shaming.


3 visualizações

Jornalista Responsável - Alexandre Costa (mtb -7587)