“Não vamos descansar até que ele caia”, dizem jovens que jogaram dólares em Cunha


Thiago Pará e Carla Bueno, do Levante Popular da Juventude, falam sobre o movimento que pede a saída do presidente da Câmara.

Denunciado por possuir contas em bancos na Suíça que somam R$ 5 milhões de dólares não declarados, o presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), passou por um momento inusitado na tarde desta quarta-feira (4). Durante uma entrevista coletiva à imprensa em Brasília, o parlamentar foi surpreendido por uma chuva de dólares falsos com seu rosto impresso nas notas. A ação fez parte de um conjunto de ações realizadas por militantes do movimento Levante Popular da Juventude em 16 cidades pelo país. O Brasil de Fato conversou com os militantes do Levante Carla Bueno e Thiago Pará, que também é secretário-geral da União Nacional dos Estudantes (UNE), detidos após a intervenção dos dólares em cima de Cunha. Na conversa, eles apontaram que, para o próximo dia 13 de novembro, um ato nacional foi convocado para exigir a saída de Cunha da presidência da Câmara e a cassação do mandato do parlamentar eleito pelo Rio de Janeiro.

Confira a entrevista.

Brasil de Fato - Por que realizar essa ação contra o Cunha?

Carla - Achamos importante dar visibilidade a esse tema, que passa muitas vezes como se fosse mais um esquema de corrupção. Não é mais um esquema, é algo muito profissional e mostra que precisamos derrubar o presidente da Câmara.

Thiago - Fizemos a ação de para chamar atenção da sociedade e romper o cerco da mídia conservadora, com o objetivo de levar a mensagem de que no dia 13 de novembro teremos um ato de rua pelo “Fora Cunha”. Além de representar o que há de pior na política brasileira do ponto de vista ético, das denúncias dos cinco milhões de dólares em contas secretas na Suíça, do envolvimento na corrupção da Petrobrás, Eduardo Cunha também lidera a bancada que visa retirar direitos dos jovens, dos negros, das mulheres, dos indígenas conquistados nos últimos anos.

Qual a importância dessa ação e dos atos que vem sendo organizados contra o presidente da câmara?

Thiago - Foi uma ação pensada dentro do Levante Popular da Juventude e se insere dentro de um processo que estamos chamando de Jornada Nacional de Lutas pelo Fora Cunha. O ato realizado pelas mulheres [na semana passada] foi o início dessas ações que pedem a saída de Cunha. Em nossa organização iniciamos essas ações na segunda-feira (2) com um escracho na porta da residência oficial dele.

Carla - Todo mundo está insatisfeito, não se sente representado por esse presidente da câmara, só que não tem ferramentas para se mobilizar. Então estamos propondo momentos de mobilização para que as pessoas interfiram na política brasileira.

Além das denúncias de corrupção, os atos pautam as pautas conservadoras aprovadas por Cunha.

Carla - Com o acirramento da luta social que estamos vivendo, essas pautas conservadoras ganham um relevo maior. Ele está tentando retirar a toque de caixa uma série de direitos civis e humanos conquistados pelas mulheres, pela juventude, ao longo do período de desenvolvimento do nosso país. E ele faz isso de forma golpista, usa métodos autoritários dentro da câmara dos deputados, e só se sustenta por uma relação de poder e corrupção que envolve muito poder e muitos favores, que não é o tipo de política que representa os brasileiros e brasileiras.

Esses projetos de lei, em especial o 5069, que ataca os direitos das mulheres terem acesso à pílula do dia seguinte e ataca o que conquistamos em relação ao aborto legal, que é em casos de estupro, mostra que temos de agir.

A mulherada tem que se mobilizar mesmo contra isso, e nós do Levante estamos juntas nesse tema, temos que seguir fazendo manifestações em torno desses temas bem concretos que afetam a vida da população.

Thiago - A juventude está desacreditada da política feita nos gabinetes aqui em Brasília, esse é um primeiro ponto. Precisamos reinventar a forma de fazer política, consequente, criativa e animada. O Eduardo Cunha tem se transformado em símbolo do conservadorismo. Boa parte dos jovens é contrária a esse tipo de política que restringe o direito ao aborto legal e aos métodos anticoncepcionais, a redução da maioridade penal, dentre outros pontos. Ele é o rosto do conservadorismo que busca crescer na sociedade. A juventude tem que assumir pra si a tarefa de conter o avanço do conservadorismo, já que dependemos disso para sobreviver.

Faixa nos Arcos da Lapa (RJ) | Foto: Reprodução/Levante

Por que vocês foram detidos?

Carla - São dois pesos e duas medidas. Tinha tido confusão e quebra-quebra mais cedo por conta de uma manifestação da direita. Mas nessa manifestação não houve incidência dos seguranças e da polícia. Como a nossa manifestação foi de esquerda contra o presidente da Câmara, aconteceu uma repressão truculenta.

Nos manifestamos jogando papel pro ar, só isso, e o Thiago gritou para o Cunha que ali estava a encomenda dele da Suíça. E em três segundos, chegaram dois policiais truculentos e arrastaram o Thiago para dentro do Depol. Fui acompanhando ele, e acabei sendo detida também.

Thiago - Alguns minutos antes de nossa intervenção houve uma confusão de alguns manifestantes pró-impeachment [da presidenta Dilma] que estavam em um canto da Câmara dos Deputados. Nessa confusão anterior, ocorreram agressões físicas e verbais. Os seguranças nada fizeram, foram coniventes. Não houve qualquer tipo de ação, ninguém foi detido. Em nosso caso, um minuto após a intervenção, eu e Carla [Buenos] fomos levados de forma truculenta para a Delegacia de Polícia Legislativa, a mando do próprio Eduardo Cunha. Lá nós levamos um chá de cadeira, não pudemos receber nosso advogado, só depois que outros parlamentares chegaram e pressionaram a polícia que nossa advogada pode entrar e nos trazer as orientações. Fomos alvos de pressões psicológicas.

Então a direita também interferiu na ação de vocês?

Carla - Isso é importante esclarecer. Eles gritaram “fora PT” porque pensaram que nossa ação era pró governo. Não se tratava disso. Nosso foco é no maior inimigo da política brasileira hoje, que é o Eduardo Cunha. Mas para essas pessoas política é ser a favor ou contra o governo, por isso eles se manifestaram contra nós.

O que é irônico: se dizer contra a corrupção, mas apoiar o Cunha...

Carla - Sim. A direita que está lá ignora as provas contra o Cunha e aplaudem ele quando ele passa perto deles. Eles tem uma concepção estranha do que é corrupção.

Cunha fez a acusação de se tratar de “militância contratada” para agredir e intimidar.

Thiago - Diferentemente dele, não temos qualquer tipo de esquema para garantir milhões de dólares para financiar qualquer atividade. Nós fazemos parte de um movimento social de jovens que tem uma política de autossustentação, fazendo rifas, festas, contribuindo individualmente. A declaração do Cunha não passa de uma forma de desqualificar nossa ação da quarta-feira (4).

Vocês ficaram intimidados com a prisão? Quais serão as próximas ações?

Thiago - Quem ficou intimidado foi o próprio Eduardo Cunha. Prova disso foi a expressão dele no momento em que jogamos os dólares falsos e também a reação dele de nos enviar de forma truculenta para a delegacia. Vamos seguir nas ruas contra Eduardo Cunha, não vamos descansar enquanto ele não saia da presidência da Câmara e tenha seu mandato cassado. Já estamos organizando outras ações até o dia 13 de novembro, quando faremos um ato nacional pedindo a cassação do atual presidente da Câmara.


0 visualização

PAULO TIMM NA VALE DO MAMPITUBA WEB RÁDIO - DAS 8H ÀS 10H

rodapé ed.png