MEXEU COM UMA, MEXEU COM TODAS...


O Ato de repúdio à violência praticada pela Brigada Militar contra mulheres reuniu centenas de pessoas no final da tarde dessa terça-feira, dia 3 de novembro, em frente ao Palácio Piratini. O protesto ocorreu em função das agressões sofridas por um grupo de mulheres, que foram agredidas na noite de domingo, 1/11, durante mais uma edição da Feira do Livro Feminista e Autônoma, realizada em uma praça no bairro Santana, em Porto Alegre.

Moradores teriam chamado a BM em função das manifestantes estarem cantando e, segundo eles, fazendo muito “barulho”. Ao chegar no local, a Brigada Militar agiu de forma extremamente violenta. Dezenas de mulheres ficaram feridas em função da ação covarde dos brigadianos, que usaram cassetes, desferiram socos e chutes, inclusive em mulheres que estão grávidas.

As manifestantes exigem a identificação e o afastamento imediato dos brigadianos.

Em entrevista ao jornal Zero Hora, o comandante do 9º Batalhão da Brigada Militar de Porto Alegre, tenente-coronel Marcus Vinicius Gonçalves Oliveira, afirmou que dois policiais foram ao local do evento, por volta das 23h15min, por causa de "um grande número de ligações" de pessoas que reclamavam do barulho. Segundo ele, consta no histórico da ocorrência que houve uso de força moderada para conter agressões. Ele garantiu que será instaurado inquérito para averiguar a conduta dos policiais.


0 visualização

Jornalista Responsável - Alexandre Costa (mtb -7587)