Que apurem a "sociedade privada" entre Globo e Odebrecht nos anos FHC, diz advogado

O advogado Roberto Teixeira respondeu, em nota à imprensa, a reportagem de O Globo sobre elaboração de contratos fictícios com a empresa Odebrecht em torno do sítio de Atibaia. Segundo o defensor, o jornal mentiu para seus leitores, porque nem as delações sem provas de executivos da Odebrecht afirmam que existiu esse tipo de fraude. Além disso, Teixeira disse que a Globo deveria explicar, por outro lado, que "sociedade privada" foi criada no governo FHC, em parceria com a Odebrecht para "quebrar o monopólio" do setor de telecomunicações em favor da emissora. Segundo Teixeita, o assunto é tratado no depoimento de Emílio Odebrecht sobre FHC. No mínimo 12, ele teria dito: "(...) nós ajudamos a

Há 11 meses, Léo Pinheiro inocentou Lula e MP não aceitou delação

Considerada a “bala de prata” contra Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a delação do empresário Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, só foi aceita depois que ele decidiu mudar sua versão para incriminar o ex-presidente. O petista é apontado como o candidato com maior potencial de votos em pesquisa Ibope e o vencedor, se as eleições presidenciais fossem hoje, em pesquisa Vox Populi. Em junho do ano passado, segundo reportagem de Bela Megale e Mario Cesar Carvalho, na Folha de S.Paulo, a delação “travou” depois que ele inocentou Lula. Também no ano passado, em agosto, a delação foi suspensa quando vazaram trechos que incriminaram o senador Aécio Neves (PSDB-MG), e não Lula. Logo depois, a revista

Temer confessa que Dilma caiu por não ceder à chantagem de Cunha

Em entrevista à Band, no sábado, 15 de abril, Michel Temer relata que Eduardo Cunha decidiu abrir o processo de impeachment contra Dilma Rousseff, em dezembro de 2015, porque o PT teria se negado a dar-lhe os três votos, que o absolveriam no Conselho de Ética. Ele respondia a processo de quebra de decoro por mentir sobre a inexistência de contas na Suíça. Temer admite que, se não fosse por isso, Dilma não teria sido afastada da Presidência da República. O desvio de finalidade foi o argumento central usado pela defesa da presidenta eleita contra o impeachment no Supremo Tribunal Federal.

DE OLHO NOS FILHOS E MAIS ATENÇÃO AOS GAMES, COMO O BALEIA AZUL

Ao analisar o que foi notícia na imprensa e nas redes sociais no Brasil, nesta semana que antecede o feriado de Tiradentes, mergulhamos no chamado ‘jogo da Baleia Azul’. Jogos que apresentam riscos letais estão virando moda entre crianças, adolescentes e jovens do mundo inteiro. Para quem não conhece, o Baleia Azual é um game, disputado on-line, e que propõe aos seus participantes desafios macabros que vão desde a automutilação até o suicídio. O jogo passou a preocupar as famílias, os país, os professores em diversos países, como a Inglaterra, França e Romênia, após o relato de que adolescentes apareceram com cortes nos braços, como sinais de mutilação. Ao que tudo indica, o jogo teve iníc

Documentário francês mostra o estrago causado pelo golpe no Brasil

Francesas fazem documentário sobre impeachment de Dilma, sob o ângulo do humor Com o título "Crise brasileira e humor negro", o jornal francês Le Monde publica um artigo sobre o documentário "Brasil: o grande salto para trás", das francesas Frédérique Zingaro e Mathilde Bonnassieux, que será transmitido pela TV franco-alemã ARTE nessa terça-feira (18). A correspondente do jornal Le Monde no Brasil, Claire Gatinois, escreve que em uma certa segunda-feira, no dia 17 de abril de 2016, o Brasil descobriu o rosto dos políticos que representavam a população na Câmara dos Deputados: conservadores, grandes fazendeiros, evangélicos loucos por Deus, homens apegados aos valores tradicionais e até saudo

rodapé ed.png