DESEMPREGO NO MUNDO É O MAIOR DA HISTÓRIA E IBGE ESTIMA TOTAL DE 12,2 MILHÕES SEM EMPREGO NO BRASIL


Além das milhares de mortes em todo o mundo, a pandemia de coronavírus causou um impacto brutal na economia em praticamente todos os países do planeta, registrando o maior número de desempregados na história mundial. No Brasil, a situação é dramática. O número de desempregados disparou no país, atingindo 20,9% entre maio e julho. O alto índice é reflexo da pandemia e também em função da crise econômica que o Brasil enfrenta. As informações sobre o desemprego no país são resultado de pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgadas nesta quinta-feira (20/8).

O país encerrou o mês de julho com 12,2 milhões de desempregados, cerca de 2,1 milhões a mais que o registrado em maio, quando somavam, aproximadamente, 10,1 milhões de pessoas. A pesquisa também indicou que o número de trabalhadores ocupados teve queda de 3,5% entre maio e julho, passando de 84,4 milhões para 81,4 milhões, e que país perdeu 1,9 milhões de trabalhadores informais em três meses. Além disso, houve queda de 42,6% no número de trabalhadores afastados devido ao isolamento social e 3,2 milhões de trabalhadores afastados ficaram sem remuneração em julho.

DESEMPREGO NO MUNDO É O MAIOR DA HISTÓRIA Em julho, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) informou que a pandemia foi responsável pela extinção de aproximadamente 400 milhões de empregos em todo o mundo, sendo 47 milhões na América Latina, uma das regiões mais atingidas pelos efeitos da covid-19. O número de desempregados é quase 20 vezes maior do que os registrados na crise financeira global de 2008/2009, quando 22 milhões de pessoas perderam seus postos de trabalho. Durante a pandemia, a entidade constatou um aumento significativo de subempregos, além de reduções de jornada e de salários. No total, a queda na renda dos trabalhadores em todo mundo beira 3,4 trilhões de dólares.

rodapé ed.png