CAOS AVANÇA EM FUNÇÃO DA PANDEMIA DE CORONAVÍRUS E DA CRISE POLÍTICA DO GOVERNO DE JAIR BOLSONARO


Mais um domingo (21/6) caótico para o Brasil em função das mortes pelo coronavírus e também em função da crise política que se instalou no governo do presidente Jair Bolsonaro, após a prisão de Fabrício Queiroz, que há mais de um ano vivia sob vigilância numa casa do advogado Frederick Wassef, em Atibaia (SP). E também pelas revelações sobre o envolvimento do senador Flávio Bolsonaro no caso das 'rachadinhas' na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e das relações do presidente e dos seus filhos com as milícias naquele estado.


Enquanto o governo de Bolsonaro perde credibilidade junto à população e sua imagem se desgasta abruptamente perante a opinião pública, o país chega à marca de 50.659 óbitos e 1.086.990 pessoas infectadas. O Brasil ocupa a segunda posição em número total de mortes pelo Covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos. De sábado para domingo, mais 601 pessoas perderam a vida e outras 16.851 foram diagnosticadas com a doença no país.


A prisão de Queiroz na casa do advogado Wassef teve o efeito de uma bomba contra o governo Bolsonaro, não apenas nas redes sociais, mas também nas ruas das principais cidades do país. Mesmo diante da pandemia, os protestos têm crescido e conquistam apoio de segmentos populares como as torcidas organizadas, motobóis e motoristas de aplicativos.


CENTRÃO E O APOIO A BOLSONARO

A maioria dos parlamentares de oposição ao governo de Jair Bolsonaro são taxativos ao afirmar que um pedido de impeachment dificilmente teria os dois terços necessários para abertura do processo na Câmara dos Deputados. Porém, com a exposição negativa que o presidente vem sofrendo nos principais telejornais do país, principalmente da Rede Globo. Nos bastidores, a informação que corre é de que Bolsonaro, aos poucos, está perdendo apoio dos militares. E o pacto nupcial com o "centrão" parece sem forças para ser consumado: Ou seja: na política do toma lá da cá, Bolsonaro parece diante da "ciranda, cirandinha" e aquele refrão que por si só diz tudo: "o anel que tu me deste. Era vidro e se quebrou. O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou".

rodapé ed.png