BOLSONARO CORTA 60% DA VERBA DA REDE GLOBO E AUMENTA RECURSOS DE PUBLICIDADE PARA A RECORD E O SBT


Uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu que a Secretaria de Comunicação (Secom) do governo do presidente Jair Bolsonaro privilegiou a Record e o SBT em detrimento da Rede Globo. “Os donos das emissoras — Edir Macedo e Silvio Santos, respectivamente — manifestaram apoio ao governo em diferentes ocasiões”, publicou a Folha de S. Paulo desta quarta-feira (12/8). As ameaças do presidente Jair Bolsonaro à Rede Globo, no final de 2019, se concretizaram. Em uma das suas "lives", o presidente elevou o tom de voz e avisou: “acabou essa mamata, não tem dinheiro público para vocês, acabou a teta”. De acordo com informações publicadas pelo portal Terra, a Globo teve participação reduzida em 60%, na comparação entre 2018 e 2019. Apesar de ser líder em audiência, com média diária de público maior do que Record e SBT juntos.

A emissora teve a participação reduzida de 39% para 16%, uma queda de quase 60% na comparação entre 2018 (gestão de Michel Temer) e 2019 (primeiro abo do governo Bolsonaro). A matéria ainda lembra que “desde que assumiu o Ministério das Comunicações, em junho, Fábio Faria, genro de Silvio Santos, tenta melhorar a relação de Bolsonaro com a Globo. Porém, o jornalismo da emissora número um do Brasil tem criticado o governo, o presidente e os seus filhos.

rodapé ed.png