INTER: O SACO DE PANCADAS NO BRASILEIRÃO 2016


Sem poder de reação, o Inter virou saco de pancadas. Desde que Falcão chegou foram três derrotas e um empate. Um time sem alma, acuado, desmantelado. Atribuem à administração de Vitório Piffero o caos da equipe. Não sei o que houve ou o que está ocorrendo dentro do vestiário, mas a nação colorada não merece a situação vexatória em que se encontra o Internacional. Gosto do Falcão, ídolo eterno do Gigante da Beira-Rio, mas não tenho convicção de que ele seja capaz de retirar o colorado desta situação. Tenho receio de que com o passar do tempo a crise se torne ainda mais grave e irreversível.

FALCÃO NA CORDA BAMBA O início desastroso de Falcão como treinador do Inter poderá ser determinante para o seu futuro no clube. Em quatro jogos, o aproveitamento do recém contratado é constrangedor. Ao que tudo indica, Falcão terá passagem meteórica no Beira-Rio. Mesmo empatando uma e vencendo outras três partidas, a equipe de Falcão terá apenas 50% de aproveitamento. Uma média baixa para as pretensões do Internacional Campeão de Tudo. Por isso, acho difícil que Falcão consiga completar dez jogos à frente do Inter, caso não vença o Fluminense. Infelizmente, a direção avaliou mal e errou ao contratar o ídolo colorado para assumir uma tarefa bem maior do que sua capacidade como treinador. Na minha opinião, Falcão é muito teórico e a tendência natural é de que precise de tempo para montar um time a partir das suas convicções. Falcão precisa de tempo e tempo é coisa que o Inter não pode desperdiçar. Talvez em outra situação, o ídolo e ex-craque dos anos 70 pudesse realizar um trabalho mais proveitoso como treinador no clube que o projetou para o mundo. A sua contratação faz parte do pacote de trapalhadas da gestão Piffero.

CELSO ROTH VEM AÍ O Inter corre contra o tempo. Falcão não conseguiu e talvez não consiga arrumar o vestiário. Se é verdade ou não que a demora para retornar a campo, no intervalo da partida contra o Corinthians, ocorreu em função da troca de sopapos entre Paulão e Vitinho, isso eu não sei. Seja como for, é apenas uma demonstração da nitroglicerina que paira no ambiente do atual campeão gaúcho. Para sair da corda bamba, Falcão terá de matar um leão por jogo. Tarefa improvável para uma equipe que perdeu a auto-estima, o poder de força e a capacidade de reagir. O time de Falcão não ameaça nem gatinhos recém nascidos, quem dirá leões. O pacote ou mutirão proposto por Piffero que coloca Iaerley em uma função de gerente de futebol me parece apenas mais um paliativo. O estrago feito no departamento de futebol nos remete a uma inevitável tragédia: o rebaixamento. Celso Roth teria sido uma solução mais pé no chão, menos midiática é verdade, mas certamente o Inter teria resultados mais efetivos. A maior conquista de Celso Roth foi ter sido o treinador da equipe que conquistou o bi da Libertadores. Errou ao trazer Falcão, quando deveria ter agarrado Mano Menezes com unhas e dentes.

TRAPALHADAS DE PIFFERO

As trapalhadas da gestão de Piffero causaram inúmeros prejuízos à imagem do clube. Mano não aceitou treinar o Inter devido ao relacionamento com o presidente Piffero, o mesmo ocorreu com Abel. Exemplos de trapalhadas não faltam, as mais recentes são Ceará e a tentativa de coagir um jogador que o Inter emprestou ao Náutico. Talvez nem mesmo Celso Roth seja capaz de salvar o Inter.


rodapé ed.png