DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA


No dia 20 de Novembro é comemorado o “Dia da Consciência Negra”. Essa consciência não se constrói e nem se acaba em um feriado, mas pode ser através da ocupação das ruas pelas nossas vozes e passos de luta que ela se inicie. A escolha dessa data está no dia 20 de Novembro de 1695, em que foi assassinado Zumbi dos Palmares, que ao lado de Dandara, sua companheira de luta e vida, contribuiu pra resistência do Quilombo dos Palmares.

É muito importante se pensar sobre a raiz desse dia, e principalmente estar por dentro da história de resistência que o Quilombo dos Palmares traz para nós! Manos e manas negras que hoje, anos e anos depois, tem ainda mais motivos pra seguir resistindo e mostrando que não nos restringimos a um dia de comemoração para ser chamados e vistos. Nossa força e luta está no dia-a-dia, em cada vez que acordamos cedo para o trabalho, em cada vez que temos que escutar desaforos que querem nos diminuir e dizer onde é nosso lugar, em cada esquina em que somos criminalizados e temidos por nosso “estereótipo”, negro com o cabelo duro e o nariz largo sim! E com muito orgulho! Temos que aprender desde cedo que a cor da nossa pele escura é maioria na vila e minoria no poder e com dinheiro. Estudos apontam que os jovens negros e os pobres são as principais vítimas da violência no Brasil e que, entre 2002 e 2012, houve uma queda no número (-24,8%) de homicídios da população branca e de aumento no número (+38,7%) de vítimas na população negra. Já virou um fato comum na segunda-feira contarmos o número de mortos na Restinga, Rubem Berta, Bom Jesus, na Maria da Conceição, Mathias Velho, Canoas, Alvorada e outras periferias de Porto Alegre, Região Metropolitana e de todo o Brasil. Os corpos dos nossos jovens, irmãos/irmãs, filhos/filhas, amigos/amigas, primos/primas e vizinhos/vizinhas mortos são acumulados como coisas sem valor, como se não fossemos humanos e/ou como se não merecêssemos viver. Mas o que é genocídio da população negra? Vivemos em um país onde mais da metade da população é negra, mesmo sendo maioria ainda somos a minoria dentro das universidades, os piores salários e os piores empregos ainda são os nossos. Somos a maioria dentro dos presídios e os que mais morrem nesse país. Você acha que tudo isso é coincidência?? NÃO, ISSO É GENOCÍDIO! A escravidão no Brasil já acabou, mas é só parar para refletir e ver que quem mais se dá mal nesse país ainda são os negros. Zumbi foi assassinado defendendo nosso direito por liberdade, nós enquanto descendentes precisamos lutar por igualdade e destruição desse sistema que necessita das discriminações pra nos dominar. Quando se trata das mulheres então só piora, as negras são 60% das mães mortas durante partos no SUS, ainda entre as atendidas no SUS 56% das gestantes negras e 55% das pardas realizaram menos consultas pré-natal do que as brancas. A história da população negra nos últimos séculos é uma história de luta pela vida e pelo restabelecimento da sua dignidade humana, ameaçada pela escravidão, colonização e racismo. Portanto, mudam-se as correntes, mas a nossa luta continua sendo a mesma. Esse ano estamos na rua de novo nos defendendo dos ataques do governo, segue nossas pautas! • Contra os cortes nos direitos sociais (mudanças no INSS) • Em defesa dos territórios negros (quilombos, terreiros de matriz africana, etc) e indígenas. • Despejo Zero, contra o despejo de famílias que moram em invasões, áreas verdes em vilas da cidade. • Contra o Genocídio do povo negro • Fora as tropas do Haiti! • Solidariedade aos imigrantes africanos e haitianos que estão sendo mortos e sofrendo ataques racistas aqui no Brasil • Contra a terceirização, precarização e humilhação que os negros sofrem em seus espaços de trabalho. • Contra a redução da maioridade penal e a proposta de aumento do tempo de internação na FASE. • Contra a violência que as mulheres negras sofrem diariamente. Lembramos que nossa marcha é independente de governos, partidos e empresas.


rodapé ed.png